PMDB ameaça suspender conversas com o governo

Os líderes do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), e na Câmara, Eunício Oliveira (CE), disseram hoje ao ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, que as conversas entre o governo e o partido devem ser suspensas até que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defina o tipo de relação que pretende manter com os peemedebistas. A conversa entre Dirceu e os líderes ocorreu no gabinete do presidente do Senado, José Sarney (AP).Os líderes informaram ao ministro, segundo relato de Renan Calheiros, que os entendimentos no Congresso em torno das propostas de interesse do governo vão prosseguir, mas que o PMDB deseja ter autonomia para negociar pontualmente as reformas previdenciária e tributária.Apesar da ameaça, José Dirceu tentou mostrar otimismo, dizendo que o processo de negociação para atrair o partido não se esgotou. O ministro afirmou que os governadores do PMDB já se manifestaram favoravelmente às reformas e disse entender que não haverá dificuldades com a bancada do partido nas votações. "O PMDB tem acompanhado várias votações com a base do governo. Nós vamos continuar o diálogo, vamos continuar trabalhando", afirmou Dirceu. Segundo ele, a orientação do presidente Lula é para que o PMDB se integre à base do governo e participe do governo totalmente. "Essa é uma questão que depende também do PMDB. Nós temos trabalhado nela e vamos persistir".

Agencia Estado,

23 de abril de 2003 | 19h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.