PMDB ameaça retaliar Virgílio com até 4 representações

A guerra deflagrada entre o PSDB e o PMDB na apresentação de representações no Conselho de Ética do Senado não deve terminar tão cedo. A presidente em exercício do PMDB, deputada Íris Araújo (GO), e o líder do partido no Senado, Renan Calheiros (AL), anunciaram ontem, formalmente, que vão entrar com representação contra o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), no início da próxima semana. A ideia é protocolar de três a quatro ações por falta de decoro parlamentar. ?Vão ser de três a quatro representações?, explicou o senador Wellington Salgado (PMDB-MG), um dos integrantes da tropa de choque de Sarney.

AE, Agencia Estado

31 de julho de 2009 | 08h40

Por sua vez, Virgílio estuda encaminhar nova denúncia, desta vez contra Renan. Ele avalia que o líder peemedebista feriu o decoro ao ameaçar denunciá-lo ao conselho, caso o PSDB insistisse em pressionar pela saída de José Sarney (PMDB-AP) da presidência do Senado. ?Não podemos esquecer que ele ia ser cassado por corrupção e depois ficou no plenário implorando por votos para se salvar?, disse ontem Virgílio. Sarney é alvo de 11 ações no conselho: cinco representações (duas do PSOL e três do PSDB) e seis denúncias - quatro só de Virgílio e duas assinadas pelo tucano e pelo senador Cristovam Buarque (PMDB-DF).

?A partir do momento que o PSDB assinou embaixo as representações contra o presidente Sarney, não deixou outro caminho ao PMDB a não ser protocolar as ações contra o Arthur Virgílio?, disse ontem Renan, ao argumentar que a quantidade de ações contra Sarney ?é a marcha da insensatez?. Segundo Renan, o PMDB entrará no conselho apenas contra o líder tucano. A presidente em exercício do PMDB disse que a assessoria jurídica do partido estuda a melhor forma de encaminhar as acusações. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.