Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

PMDB adapta discurso ao ajuste fiscal e propõe reforma administrativa a Dilma

Cúpula do partido aliado encampa defesa da austeridade com medo de crise política afetar desempenho nas eleições municipais de 2016; agora, em vez de cargos, peemedebistas pedem redução dos ministérios e dos postos comissionados

Marcelo de Moraes e Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

21 de março de 2015 | 03h00

Brasília - Preocupada em se salvar do turbilhão de escândalos que atinge o governo do qual faz parte e o Congresso que comanda, a cúpula do PMDB vai propor à presidente Dilma Rousseff que faça uma reforma administrativa e “corte na própria carne” no ajuste fiscal. A mudança de estratégia do partido, que até então só aparecia brigando por cargos, foi definida em almoço promovido por Michel Temer, na quinta-feira, no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente da República. A ideia é tentar melhorar a própria imagem – descolando-a do fisiologismo e associando-a ao discurso de austeridade – para a campanha eleitoral nos municípios do ano que vem. 

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), alvo citado na lista de políticos suspeitos de participar do esquema de corrupção na Petrobrás, chegou a defender no encontro a “refundação” do governo Dilma. A ideia é deixar para trás o que parlamentares do partido chamam de “cara de derrota” do segundo mandato de Dilma. “Esse processo é mais amplo do que a simples ocupação de cargos”, disse o líder do PMDB na Câmara, Eunício Oliveira (CE), que também participou do almoço no Jaburu com Temer, Renan e o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga. “A nossa preocupação, hoje, é com a crise política e econômica.” 

A proposta que o PMDB vai levar a Dilma inclui o discurso segundo o qual é preciso diminuir o número de ministérios – hoje são 39 – e de cargos comissionados do governo – cerca de 20 mil. 

No que se refere à redução de ministérios – 5 são ocupados por representantes do PMDB –, o presidente da Câmara e desafeto do Palácio do Planalto, Eduardo Cunha (PMDB), já havia anunciado que sua prioridade era pôr em votação uma proposta de emenda à Constituição que reduz o número de pastas para 20. Temer e seus aliados do partido, porém, acham que não é caso de impor uma PEC. Primeiro, é preciso negociar com Dilma para que ela encampe a ideia. 

Na avaliação interna do PMDB, existe a certeza de que o eleitor cobrará, nas urnas, a conta por apoiar as medidas amargas do ajuste fiscal. Diante dessa perspectiva, o partido entende que o governo precisa enviar uma mensagem clara de que também faz a sua parte, reduzindo o tamanho de sua máquina, economizando despesas e revisando contratos dispendiosos. 

Desconfiado. A reforma administrativa sugerida pelo PMDB é vista com desconfiança pelo Palácio do Planalto. Não sem motivo: foi uma das principais bandeiras defendidas na campanha pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), principal adversário de Dilma.

Em conversas reservadas, no entanto, dirigentes do PMDB dizem que “todo empresário em crise corta custo, enquanto o governo prefere aumentar tributos”. Eles argumentam que, do jeito que as propostas do governo estão postas, o ajuste será visto pelos eleitores como algo que “arrocha, desemprega e espreme”. E que aumentos como tarifa de ônibus, conta de luz e de gás são temas muito sensíveis nos debates das campanhas municipais, como as que ocorrerão no próximo ano.

O Planalto avalia que, com todos esses movimentos, o PMDB quer pôr de novo a “faca no pescoço” de Dilma, para pressioná-la a entregar ministérios com mais orçamento e visibilidade. Atualmente, o PMDB controla sete pastas (Minas e Energia, Agricultura, Turismo, Aviação Civil, Portos, Assuntos Estratégicos e Pesca). 

No governo, é dado como certo que o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) será integrado à equipe. As negociações em torno de mais espaço para o PMDB numa eventual reforma ministerial, porém, não têm provocado entusiasmo. 

O ministério do Turismo, oferecido a Alves, já é ocupado pelo PMDB, com Vinicius Lage, da cota de Renan. A mudança nessa pasta é vista como operação digna de “pisar em ovos”, para não desagradar ao presidente do Senado. 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sugeriu a Dilma levar o PMDB para a articulação política, mas o partido não quer a vaga. Está de olho em Integração Nacional, considerado um importante instrumento de atuação política, mas insuficiente para livrar a legenda do peso de copatrocinar reformas impopulares. 

A análise sobre o custo-benefício da ocupação de determinados cargos, em meio à crise cada dia mais grave, já foi adotada pelo PMDB em relação ao posto de líder do governo no Senado. Desde que Eduardo Braga saiu dessa cadeira para ser ministro de Minas e Energia, a vaga não foi preenchida e o governo segue sem líder na Casa. “Deixamos a indicação para o governo, para o PT”, desconversou Eunício. Não há no PMDB a intenção de expor ninguém para defender o ajuste no momento em que o PT critica as medidas. 

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseffreforma ministerialPMDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.