Governo de São Paulo/Divulgação
Governo de São Paulo/Divulgação

PM que matou bandido em SP vai se filiar ao PR para disputar eleições deste ano

Kátia Sastre ficou conhecida após reagir a um assalto e matar o criminoso em frente a uma escola em Suzano (SP)

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

29 Maio 2018 | 16h42

BRASÍLIA - A cabo da Polícia Militar Kátia Sastre vai se filiar ao PR para ser candidata à deputada federal nas eleições deste ano. Ela ficou nacionalmente conhecida após reagir a um assalto e matar um bandido em 13 de maio em frente à escola onde estudam suas filhas em Suzano, na Região Metropolitana de São Paulo. 

"Ela vai se filiar, mas como é militar da ativa só poderá se filiar na convenção", afirmou ao Estadão/Broadcast o deputado federal Capitão Augusto (PR-SP), que levou a policial para uma visita à Câmara na terça-feira, 29, tendo inclusive prestado homenagem à ela em discurso durante a sessão plenária.

+ Relembre: Mãe PM reage a assalto na porta de escola e ladrão morre

Kátia esteve em Brasília durante todo a terça-feira. Fora da Câmara, se encontrou com lideranças do PR, entre eles, o ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP), que comanda a sigla, e os deputados Tiririca (SP) e Soraya Santos (RJ). "Acho que o Brasil precisa de gente como ela", disse Soraya, coordenadora da bancada feminina. 

No PR, a avaliação é de que a Kátia pode receber até 500 mil votos, ajudando o partido naquilo que é seu principal objetivo: eleger uma grande bancada na Câmara. A policial se juntaria a Tiririca, que, apesar de dizer que não vai disputar, é tratado como candidato à reeleição nas eleições deste ano. 

"Estamos conversando agora e a gente vai terminar de conversar e, assim que resolver tudo direitinho, vamos dar notícia. Vamos conhecer, nos familiarizar e, se Deus quiser, vai dar tudo certo", disse Kátia ao Estadão/Broadcast, ressaltando a "importância" e "necessidade" de ter mulheres no parlamento.

No PR, a avaliação é de que a PM pode receber até 500 mil votos, o que ajudará a puxar outros parlamentares, ajudando o partido a obter uma grande bancada na Câmara. Ela se juntaria a Tiririca, que, apesar de dizer que não deve disputar, é tratado como candidato à reeleição este ano. 

Regras

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as regras para filiação de militares são diferentes. Militares da ativa com mais de 10 anos de serviço e que não tenham cargo no alto comando da corporação, o que é o caso de Kátia, só podem se filiar oficialmente após serem "escolhidos" em convenção partidária. 

Segundo a Justiça Eleitoral, somente a partir da convenção é que o militar é considerado filiado ao partido. A partir daí, deve comunicar à autoridade a qual é subordinado para passar à condição de agregado. Se for eleito, é transferido para a inatividade. 

Se contar com menos de 10 anos de serviço, após escolhido em convenção, também será transferido para a inatividade. Em ambas as situações o militar não precisa, assim, respeitar a regra geral de seis meses de filiado a uma legenda antes do pleito. 

Relembre o caso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.