PM prende 22 sem-terra que reocuparam área no Pará

A Polícia Militar do Pará prendeu anteontem 22 trabalhadores sem-terra que, pela segunda vez, haviam invadido uma fazenda desocupada na semana passada pela própria PM em Castanhal, na região nordeste do Estado. A ordem de prisão foi do juiz da Vara Agrária de Castanhal, Sérgio Ricardo Lima da Costa, a pedido da promotora Ana Maria Carvalho. A proprietária da fazenda, Adélia Hashiguchi, tem sofrido constantes ameaças dos invasores, inclusive de morte, e já pediu proteção à polícia.No decreto de prisão, Costa diz que há "provas contundentes e convincentes dos crimes de estelionato, ameaça, desobediência, formação de quadrilha ou bando" supostamente cometidos pelos sem-terra. A promotora disse que Flávio Silva Lucena, o Cabeludo, um dos presos, é integrante do grupo de invasores comandada por José de Ribamar Barros Pina, o Riba, também preso na operação.O tenente-coronel Noura e o major Regateiro, que comandavam a tropa, informaram que nenhuma arma de fogo foi encontrada em poder dos presos, que tinham foices e facões. Eles haviam derrubado cerca de arame farpado e construído duas guaritas na propriedade. A fazendeira disse que os invasores já lhe causaram grandes prejuízos. "Eles incendiaram minha casa e vivem me ameaçando." Ela sustenta a família com a venda de frutas e mel de abelha que produz no local. O acampamento foi batizado de Ana Júlia, em homenagem à governadora do Pará.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.