PM ocupa município para evitar conflito entre índios e fazendeiros

Pelo menos 70 soldados da Polícia Militar estão fazendo o policiamento do município de Pau Brasil, no sul da Bahia, desde a manhã desta sexta-feira. Mais 50 da tropa de choque da PM devem chegar hoje ao local. Tudo para evitar um conflito armado de grandes proporções entre índios pataxós e fazendeiros da região, após o assassinato a tiros, em uma emboscada, ontem, do índio Raimundo Rosa Neres, na Fazenda São Francisco. A área é uma das propriedades ocupadas pelos índios nos últimos meses, que lutam há mais de vinte anos pela retomada de 54 mil hectares invadidos irregularmente por fazendeiros em Pau Brasil. Barreiras foram montadas nas principais estradas do município e todos os veículos estão sendo revistados. Dois homens de identidade não revelada pela polícia foram detidos por porte ilegal de uma carabina calibre 38, mas não há confirmação que estejam envolvidos na tocaia contra o índio Neres. Uma comissão de deputados da Assembléia Legislativa do Estado também está na região para iniciar uma grande operação de desarmamento em Pau Brasil. Desde o inicio dos conflitos na última década de 80, 15 índios foram mortos por jagunços, supostamente contratados pelos fazendeiros. O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) que acompanha o conflito há anos vem cobrando uma solução do Supremo Tribunal Federal (STF) para o caso. Os pataxós entraram com uma ação que pede a anulação das posses de terras doadas aos fazendeiros pelo governo estadual há vinte anos, mas até o momento a Justiça não se pronunciou, dando margem aos conflitos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.