Fernando Bizerra Jr./EFE
Fernando Bizerra Jr./EFE

PM contabiliza entre 45 mil e 50 mil manifestantes no protesto em Brasília

Protestos foram concentrados em frente ao Congresso Nacional

Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S. Paulo

15 de março de 2015 | 13h49

BRASÍLIA - A Polícia Militar do Distrito Federal (PM-DF) calcula as manifestações em Brasília chegou a reunir um público de 45 mil a 50 mil pessoas. A operação envolveu também o trabalho de 2 mil policiais militares. "Não houve nenhum incidente grave, nada que se possa descaracterizar essa manifestação pacífica e legítima", afirmou o sargento Daniel Quezado.

Um dos organizadores do Movimento Vem pra Rua, o professor de Ética Jailton Almeida, calcula que a manifestação chegou a reunir 80 mil pessoas na frente do Congresso Nacional. "É sem dúvida a maior manifestação desde junho de 2013, quando a população saiu para protestar antes da Copa das Confederações", afirmou o professor.

Segundo o professor, a população de Brasília e das cidades-satélite saiu de casa neste domingo para protestar contra a gestão ineficiente do governo. Na avaliação dele, o governo do PT coleciona "os maiores escândalos de corrupção da história do Brasil", em referência ao mensalão e às investigações da Operação Lava Jato.

Almeida afirmou que o movimento Vem pra Rua defende o impeachment como "um meio legal e constitucional". "Mas são necessários fatores políticos sociais e jurídicos para pedir o impeachment e essa é uma responsabilidade do Congresso Nacional, quando tiver acesso às conclusões da Operação Lava Jato", disse.

O professor explicou que a manifestação em Brasília foi organizada por seis grupos diferentes: Vem pra Rua, Movimento Brasil Contra a Corrupção (MBCC), Movimento Brasil Livre, Movimento Limpa Brasil, Foro de Brasília e Diferença Brasil.

Segundo Almeida, os custos com os caminhões de som, água e toda a estrutura do evento foram divididos entre os membros desses grupos, que fizeram vaquinhas e contaram com o apoio de "setores organizados da sociedade civil", que confeccionaram camisetas e faixas.

O professor ressaltou também que, diferentemente das manifestações de junho de 2013, o clima entre os manifestantes e os policiais militares foi de "reciprocidade". "As viaturas da PM passavam por nós e alguns aplaudiam."

Tudo o que sabemos sobre:
protestosBrasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.