PM cerca engenho depredado por sem-terra em Pernambuco

Diante da suspeita de existência de armas etambor de gasolina escondidos nos acampamentos dos sem-terra no Engenho Prado, em Tracunhaém, na zona da mata de Pernambuco, o comandante do 2º Batalhão da PolíciaMilitar, coronel César Matos, entrou nesta quarta-feira com pedido de busca e apreensão no fórum da comarca de Nazaré da Mata, para poder invadir o local.O clima se mantém tenso no engenho ? depredado e incendiado pelos sem-terra na última segunda-feira - e um reforço policial, num total de 96 homens armados com metralhadoras, bombas de efeito moral, gás, balas de borracha, pistolas e cães, cercou os acampamentos, combloqueios em três pontos da rodovia PE-41, que corta a área. O coordenador do litoral da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Juracy Souza, antecipou que os trabalhadores não vão permitir a entrada da polícia se a Justiça não conceder o mandado de busca. ?Não vamos permitir esse absurdo?, afirmou ele. ?Estamos aqui há seis anos e nunca teve polícia, é pura repressão?.Sete facões de sem-terra foram apreendidos pela polícia, que está revistando carros e passageiros que passam pela rodovia.?Passamos da ação preventiva para a repressiva diante do vandalismo e da ação terrorista dos sem-terra?, afirmou o coronel Matos, ao explicar a função da polícia naárea: evitar conflitos, depredações e destruição de lavouras (tanto dos proprietários como dos sem-terra).Diante da forte presença policial, os trabalhadores decidiramsuspender o trabalho na roça nesta quarta-feira. ?Nós não queremos confronto?, disse Luíza Cavalcanti, coordenadora do acampamento Chico Mendes 2. A iniciativa da polícia, que até anteontem mantinha 20 homens no engenho, foirecebida com ?espanto e indignação?, de acordo com Luíza.O Engenho Prado chegoua ter decreto de desapropriação assinado pelo ex-presidente Fernando Henrique, em1997, mas os titulares da empresa conseguiram anular o ato no Supremo Tribunal Federal (STF) sob a alegação de ter um projeto de reflorestamento de bambu aprovado no Ibama. Até hoje os bambus não foram plantados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.