Plenário do Senado pede dados do Banpará

O Banco Central terá de encaminhar ao Senado, num prazo máximo de 30 dias, relatórios da instituição com resultado de auditorias e inspeções sobre os desvios de recursos públicos do Banpará, ocorridos no período de 1984 a 1987, envolvendo o presidente licenciado do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA). O plenário aprovou, por unanimidade, um requerimento determinando o envio dos documentos, para dar subsídios aos trabalhos da comissão de inquérito encarregada de apurar as irregularidades de que Jader é acusado. Para dar início às análises da documentação, o corregedor-geral do Senado, Romeu Tuma (PFL-SP), membro da comissão, solicitou ao BC, Ministério Público e Ministério da Fazenda técnicos para assessorar a comissão. Amanhã, os três integrantes da comissão - Tuma, João Alberto Souza (PMDB-MA) e Jefferson Péres (PDT-AM) - desembarcam em Manaus para começar a tomar depoimentos do deputado estadual Mário Frota, seu ex-assessor Nivaldo Marinho e o empresário David Benayon, além de outras testemunhas implicadas no caso da propina para a liberação de verbas da extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). Jader teria recebido R$ 5 milhões para participar das irregularidades.O requerimento ao BC tramitou em regime de urgência, diante do interesse dos senadores em agilizar a apuração dos casos contra Jader. Pela manhã, ele foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e, à tarde, apreciado pelos parlamentares no plenário da Casa. Ao defender a quebra do sigilo, o relator do pedido na CCJ, senador Bello Parga (PFL-MA), argumentou que a "gravidade das denúncias apresentadas não permite que o Senado Federal permaneça imóvel, vítima de uma ameaça que paira sobre a cabeça de seu principal dirigente." Em plenário, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), apoiou o requerimento e a decisão de votá-lo com urgência. Segundo ele, o partido quer que as denúncias sejam rapidamente esclarecidas, lembrando que, em julho, os líderes dos partidos na Casa manifestaram-se a favor da aprovação do requerimento. Tuma informou ainda que já requisitou ao Senado cópias das declarações de renda do senador enviadas anualmente à Casa, para analisar a evolução patrimonial do parlamentar. Segundo ele, os dados poderão ajudar a apurar se Jader não declarou à Receita Federal a compra da fazenda Chão Preto, uma das acusações encaminhadas ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar contra o presidente licenciado da Casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.