Pablo Valadares/AGENCIA CAMARA
Pablo Valadares/AGENCIA CAMARA
Imagem Vera Magalhães
Colunista
Vera Magalhães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Plano Maia-Alcolumbre

Presidentes da Câmara e Senado pretendem já lançar um pacote de propostas que estão sendo elaboradas pelo economista Marcos Lisboa, em seguida à aprovação da reforma pelos deputados

Vera Magalhães, O Estado de S. Paulo

19 de junho de 2019 | 03h01


A rusga entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia, que são amigos há algum tempo e em cuja dobradinha o mercado deposita suas esperanças na rápida aprovação da reforma da Previdência, pode acelerar a agenda própria da Câmara, agora em conjunto com o Senado, para tentar impulsionar crescimento, o aumento de produtividade e a geração de renda.

A ideia de Maia e Davi Alcolumbre, que, não por acaso, estrelaram a recente propaganda partidária do DEM, apertando as mãos nas residências vizinhas que ocupam na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, é já lançar um pacote de propostas que estão sendo elaboradas pelo economista Marcos Lisboa, em seguida à aprovação da reforma pela Câmara.

Assim, com a reforma tributária derivada do projeto de Bernard Appy e o estudo encomendado a Lisboa, o Congresso teria seu próprio plano econômico para propor a superação definitiva da crise, o plano Maia-Alcolumbre.

A avaliação dominante no Congresso é a de que Guedes revelou um pendor “antipolítica” com as críticas que fez ao relatório de Samuel Moreira para a Previdência. Traços dessa aversão são apontados também em outros próceres de sua equipe, como Marcos Cintra. 

Daí a ideia de ampliar cada vez mais o discurso de que o Congresso sai na frente do Executivo ao enfrentar os grandes gargalos do crescimento. A agenda deve ter ainda propostas para infraestrutura (uma das meninas dos olhos da gestão Bolsonaro) e criação de empregos, um dos principais motivos de desgaste do governo.

ONTEM E HOJE: Onyx dizia que mudar porte de armas por decreto era ilegal

Ontem um defensor ardoroso, em depoimento na Câmara dos Deputados, do decreto que flexibilizou o porte de armas – a ponto de dizer que seus opositores usavam a tática de Goebbels de mentir deliberadamente –, Onyx Lorenzoni dizia, logo após o decreto da posse de armas, que não era possível usar o mesmo instrumento para mexer no porte. “O problema é que a questão que envolve o porte de armas, que é muito mais complexa, ela está limitada em lei, e, para ser alterada, depende de uma nova lei”, afirmou no dia 16 de janeiro, durante entrevista à rádio Jovem Pan.

 

CONTA-GOTAS: ‘Vaza Jato’ coincide com datas emblemáticas

O método de divulgação a conta-gotas do material da “Vaza Jato” pelo The Intercept Brasil, que questionei durante entrevista que fiz com Glenn Greenwald e ele defendeu como necessário à apuração, vai encaixando, até aqui, com datas emblemáticas para o ministro e ex-juiz Sérgio Moro. O novo capítulo desta terça-feira, 18, antecedeu a exibição da entrevista de Moro ao Programa do Ratinho e seu depoimento, hoje, no Senado.

Aliados do ministro estão preparados para a possibilidade de partes ainda não publicadas do material aparecerem na forma de perguntas de senadores da oposição, para forçar Moro a cair em contradições que, depois, serão exploradas na divulgação dos capítulos futuros da série. É comum em comissões parlamentares de inquérito parlamentares serem pautados por procuradores, delegados e jornalistas para obter respostas que se encaixem em apurações em andamento. Moro, desta vez, pode provar de um método usado em investigações como a Lava Jato.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.