Plano de Educação buscará investir 7% do PIB, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou de hoje que enviará ao Congresso Nacional na quarta-feira o novo Plano Nacional de Educação (PNE), referente ao decênio 2011-2020. O conjunto de diretrizes para a área substitui o atual, que vigora até 31 de dezembro, e era aguardado por entidades de ensino, que pediram urgência ao Ministério da Educação para que fosse apresentado antes do período de recesso parlamentar.

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

13 de dezembro de 2010 | 11h58

No programa semanal Café com o Presidente, Lula antecipou que uma das metas do novo plano é alcançar até 2020 um investimento de 7% ano do Produto Interno Bruto (PIB) na área. "A minha expectativa é que ao enviarmos esse projeto, na quarta-feira, para o Congresso Nacional, nós estaremos deixando público o compromisso do governo brasileiro até 2020", disse o presidente, lembrando que o plano tem um prazo de dez anos para que todas as metas contidas nele sejam cumpridas.

Convidado pelo presidente, o ministro da Educação, Fernando Haddad, também participou do programa de rádio e explicou que o novo PNE tem como objetivo dar sequência ao trabalho iniciado nas duas gestões de Lula à frente do Palácio do Planalto. "Agora, trata-se de acelerar o passo, de garantir que, na próxima década, nós possamos fazer ainda mais pela educação brasileira, que, no século XX, foi relegada a segundo plano."

O titular da pasta destacou que o novo plano contempla todos os níveis de ensino e antecipou que o foco está no professor. "O professor brasileiro ainda ganha, em média, 60% do que ganham os demais profissionais de nível superior, e nós queremos encurtar essa distância para que a carreira do magistério não perca talentos para as demais profissões", afirmou. "A valorização do professor é o eixo central do próximo plano."

O presidente ressaltou que um dos desafios do governo de sua sucessora, Dilma Rousseff, será reforçar a qualidade do ensino no Brasil, promovendo o que chamou de "uma maior evolução" no ensino fundamental. O esforço, segundo Lula, estaria na ampliação das parcerias com Estados e municípios. "Nós sabemos que é preciso evoluir, sabe, construir parcerias com prefeitos, construir parcerias com governadores para que todos nós assumamos definitivamente a responsabilidade de que a educação é a nossa prioridade."

Lula destacou que a área será uma das beneficiadas com os recursos advindos da exploração da camada do pré-sal e disse acreditar que Dilma Rousseff dará prioridade à educação em seu governo. "A Dilma também teve na sua campanha, também tem na sua cabeça e também tem o compromisso de fazer com que a educação no Brasil seja cada vez mais de qualidade."

Mais conteúdo sobre:
educaçãoPNELulainvestimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.