Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Planilha de presidente da OAS relaciona nomes do Cade e TCU

Documento apreendido pela Polícia Federal cita nome de ex-ministro Cesar Asfor Rocha; papéis também fazem referência ao Supremo, Cade e Tribunal de Contas da União

ANDREZA MATAIS E FÁBIO FABRINI, O Estado de S. Paulo

30 de janeiro de 2015 | 11h58

BRASÍLIA - Anotações apreendidas pela Polícia Federal na casa do presidente da OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, preso pela Polícia Federal, listam advogados e dirigentes de órgãos de controle com influência em processos relacionados à Operação Lava Jato. Para a PF, a empreiteira traçava um plano para fazer lobby com essas autoridades, numa estratégia para anular investigações sobre o esquema de cartel e corrupção da Petrobrás.

O manuscrito, de uma página, estava entre os objetos encontrados num apartamento de Léo Pinheiro em São Paulo em 14 de novembro, dia em que foi deflagrada a sétima fase da Lava Jato, batizada de Juízo Final. O documento cita o nome do ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Cesar Asfor Rocha, ao lado das informações "STJ - liminar da competência - turma".


Asfor Rocha, que hoje atua como advogado, disse ao Estado que, dias antes da operação, a OAS o convidou para fazer sua defesa na Lava Jato. Ele informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que declinou do convite porque seu escritório "não tem especialização criminal". Aposentado no STJ em setembro de 2012, o ex-ministro, porém, não pode advogar formalmente na corte, pois a Constituição determina uma quarentena de três anos.

As defesas de executivos da OAS e de outros réus da Lava Jato questionam no STJ e no Supremo Tribunal Federal (STF) a competência da Justiça Federal no Paraná para julgar os processos. O argumento é que as investigações, no início, tratavam de lavagem de dinheiro praticada pelo então deputado José Janene (PP-PR), quando ele ainda exercia o mandato e, por isso, tinha foro privilegiado no Supremo. Ex-líder do PP, Janene morreu em 2010. Outra alegação é que os processos relacionados à Petrobrás devem ser apreciados pela Justiça Estadual.

Nas mesmas anotações apreendidas pela PF, constam as iniciais "SIG, entre as inscrições "STF" e "interlocutor". Para os investigadores, a sigla é uma referência ao advogado e ex-deputado federal petista Sigmaringa Seixas. SIG, como é conhecido o advogado, atua no Supremo Tribunal Federal (STF) e tem trânsito entre os ministros da corte.

Procurado pelo Estado, Seixas disse que é advogado da OAS no STJ em processo sem relação com a Lava Jato. Ele alegou conhecer Léo Pinheiro apenas vagamente. "Não fui procurado. Não sei o porquê de meu nome estar lá (nas anotações). Fico até curioso em saber."

Ao lado da inscrição "Cade" foi anotado o nome Vinícius. O conselho é presidido pelo advogado e ex-assessor do PT na Assembleia de São Paulo Vinícius Carvalho. O órgão apura se as empreiteiras citadas na Lava Jato praticaram "crimes contra a concorrência". Se condenadas, elas podem pagar multa de até 20% do faturamento bruto. Além disso, os administradores das empresas podem ser obrigados a pagar de R$ 50 mil a R$ 2 bilhões. 

Por meio de sua assessoria, Carvalho disse que não conhece o presidente da OAS e que nunca teve agenda com ele.

No manuscrito, há também o registro "TCU" (Tribunal de Contas da União), ligado por uma seta ao nome "Aroldo". A corte de contas, com sede em Brasília, é presidida pelo ministro Aroldo Cedraz, que tomou posse no último dia 1º de janeiro, após dois anos no cargo de vice-presidente. A OAS atua em grandes obras da Petrobrás, investigadas pelo tribunal por suspeita de superfaturamento.

Procurado pelo Estado, Cedraz informou, em nota, não ter sido procurado por José Aldemário e que não o recebeu em audiência. 

Os executivos da OAS respondem a ação penal na Justiça Federal por desvio de recursos de obras da Petrobrás entre 2006 e 2014. Conforme a denúncia do Ministério Público Federal, em troca de contratos superfaturados, a empresa teria pago propina para corromper os então diretores da estatal Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e Renato Duque (Serviços).

A Procuradoria da República no Paraná pleiteia o ressarcimento de R$ 213 milhões aos cofres públicos, supostamente desviados por meio das obras. A OAS atuou em consórcio nas refinarias Abreu e Lima, em Pernambuco, e Getúlio Vargas, no Paraná.

*

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Lava JatoOASSTJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.