Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Planalto vê chance de aliança com Alckmin

Movimento para levar Alckmin à presidência do PSDB teve apoio de governistas; gestão Temer espera que governador não ‘queime pontes’

Vera Rosa e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2017 | 05h00

BRASÍLIA - O movimento para fazer o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, ser eleito presidente do PSDB por aclamação, no congresso do próximo dia 9, recebeu a ajuda da ala governista do partido e indica uma brecha para possível composição eleitoral em 2018. Na avaliação do Palácio do Planalto, Alckmin vai precisar do apoio do PMDB para tentar “levantar” sua candidatura à Presidência e não poderá exigir o desembarque imediato dos tucanos.

+++Alckmin diz que aceita assumir comando do PSDB em nome de unidade partidária

Em conversas reservadas, auxiliares do presidente Michel Temer diziam nesta segunda-feira, 27, duvidar que o governador queira “queimar pontes” com o Planalto. Na semana passada, Alckmin participou do almoço de governadores com Temer, no Alvorada, e defendeu a reforma da Previdência, sob o argumento de que a mudança, de difícil aprovação, ajudará na criação de empregos.

Até agora, Alckmin vinha pregando a saída do PSDB da equipe de Temer. Além disso, lavou as mãos e não pediu votos para ele na bancada, quando o plenário da Câmara analisou – e acabou derrubando – as duas denúncias criminais apresentadas pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot.

+++ 'Nunca me ocorreu' assumir a direção do PSDB, diz Alckmin

A falta de respaldo do governador, na ocasião, causou perplexidade no Planalto. Nos bastidores, porém, o núcleo político do governo avalia que o tucano é um homem “de diálogo” e pode fazer “um gesto” de reaproximação com Temer, para não ficar isolado em 2018. O presidente tenta reunificar a base aliada para construir uma frente de “centro-direita” na disputa, mas não esconde a mágoa com Alckmin.

O governo trabalhava contra a eleição do senador Tasso Jereissati (CE) para o comando do PSDB porque ele sempre defendeu o rompimento do partido com o Executivo. Para interlocutores de Temer, Tasso queria que o PSDB saísse “atirando” porque preparava sua própria candidatura presidencial e buscava um contraponto.

Em sintonia com o senador Aécio Neves (MG), alvo da Lava Jato, o Planalto apoiava o governador Marconi Perillo (GO) para a direção do PSDB. Tudo mudou quando Temer percebeu que Perillo – defensor da permanência dos tucanos no primeiro escalão – não unificaria o partido.

+++ Convenção do PSDB em SP impulsiona candidatura de Alckmin à Presidência

Argumento. A operação política para convencer Alckmin a aceitar a empreitada foi capitaneada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e acompanhada pela ala governista do PSDB. O argumento foi o de que ou ele encarava o desafio ou o racha tucano tornaria o partido coadjuvante na disputa de 2018. “A casa dividida contra si mesmo será destruída”, dizia o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, citando um versículo de Mateus.

Nesse cenário, o desembarque do PSDB está, agora, em banho-maria. Dos quatro ministros da sigla, só Bruno Araújo – que ocupava a pasta das Cidades – entregou o cargo. Foi substituído por Alexandre Baldy, indicado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), no ajuste feito por Temer para angariar votos no Congresso a favor da reforma da Previdência.

Aloysio atua como uma espécie de articulador político e não deixará a equipe. O destino do ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, ainda é incerto. Depois da “trapalhada” da semana passada, quando o Planalto chegou a confirmar no Twitter a nomeação do deputado Carlos Marun (PMDB-MS) para a cadeira de Imbassahy, e em seguida voltou atrás, não se sabe por quanto tempo ele permanecerá no posto. Luislinda Valois (Direitos Humanos), no entanto, deve sair em breve.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.