Planalto vai aceitar Temer 'sem problemas', diz assessor de Lula

Gilberto Carvalho afirmou que não há orientação para 'plantar' o nome do presidente do BC, Henrique Meirelles

Leonencio Nossa, de O Estado de S.Paulo,

05 Fevereiro 2010 | 19h48

O Planalto aceita "sem problemas" o nome do deputado Michel Temer (PMDB-SP) na condição de vice na chapa de Dilma Rousseff à Presidência, disse ao Estado Gilberto Carvalho, chefe de gabinete pessoal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele avalia que é "irrepreensível" a postura de Temer no comando da Câmara em relação ao governo. "Se eles trouxerem mesmo o nome do Temer, vai ser acolhido", afirmou. "Não vamos fazer marola nesse tema, não."

 

Carvalho afirmou que não há orientação para "plantar" o nome do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, filiado no ano passado ao PMDB. Ele deve continuar no Banco Central até o fim do governo. Petistas tentaram manobrar para que Temer saísse do páreo. O Planalto, porém, decidiu que o nome do deputado ajudará na campanha de Dilma. "O presidente tem uma definição clara de que o PMDB em entendimento com a Dilma vai apontar o vice-presidente e nós não faremos nada para interferir nesse processo."

 

Na entrevista, Carvalho confidenciou que o presidente Lula já tem uma solução para o quadro confuso em Minas Gerais, onde três aliados querem disputar o governo do Estado - o ex-prefeito Fernando Pimentel e os ministros Patrus Ananias e Hélio Costa. A solução encontrada por Lula é lançar o nome do Vice-presidente José Alencar ao Palácio da Liberdade. "Seria uma belíssima solução", disse Carvalho.

 

 

Gilberto Carvalho contou ainda que o presidente Lula quer segurar o maior número possível de ministros. E, nesse sentido, conseguiu convencer Pedro Brito (Portos) e Altemir Gregolin (Pesca) a não serem candidatos. É provável que ele consiga demover Paulo Bernardo (Planejamento) também.

 

"É importante que a travessia de 2010 seja bem feita. Eu sempre digo que vamos dividir nossa energia em dois vetores muito claros: manter o governo no atual padrão e o outro vetor é o da campanha da Dilma. Vamos nos esforçar, nas horas de folga, para que a eleição da Dilma seja o coroamento do governo. Que complemente a obra da construção do governo." Gilberto Carvalho disse ainda que a saúde de Lula está ótima, principalmente agora que parou de fumar, depois do susto da hipertensão, quando estava em Recife, na semana passada.

 

O chefe do gabinete de Lula disse ainda que o governo não teme a candidatura de José Serra. "Venha quem vier, a gente tem condições de enfrentar bem. Eu acho que hoje o candidato da oposição é o Serra. Acho que não tem recuo. É a fotografia de hoje. Amanhã, não sei o que pode ocorrer. Não sou daqueles que partilham a ideia de que o Serra pode vir a amarelar. Acho que ele concorre em qualquer hipótese. Se vir o governador Aécio Neves como vice na chapa, ninguém vai tremer deste lado. A chapa é forte? É. Mas não é imbatível."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.