Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

AO VIVO

Eleições: 2020: notícias, resultados e apuração do 2° turno

Planalto teme 'vazamentos seletivos' das delações da Odebrecht

Auxiliares de Temer têm receio de que, na tentativa de prejudicar o governo, o Ministério Público Federal vaze 'parcialmente' trechos dos depoimentos homologados nesta segunda-feira por Cármen Lúcia

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2017 | 12h29

BRASÍLIA - O governo federal está preocupado com a possibilidade de "vazamentos seletivos" relativos às delações de 77 executivos e ex-diretores da Odebrecht. As colaborações premiadas foram homologadas nesta segunda-feira, 30, pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, e, a partir de agora, a Procuradoria-Geral da República vai decidir quem será alvo de inquéritos e o que deve ser aprofundado nas investigações.

O Palácio do Planalto vive momentos de apreensão, às vésperas da eleição para a presidência da Câmara e do Senado, nesta semana. Embora auxiliares do presidente Michel Temer tenham recebido com alívio a notícia de que Carmen Lúcia manteve o sigilo das delações recebidas, há o receio de que o Ministério Público Federal vaze "parcialmente" trechos dos depoimentos, na tentativa de prejudicar o governo.

Nos bastidores do Planalto e do Congresso, o comentário é que as delações atingem cerca de 200 políticos de vários partidos - muitos dos quais do PMDB e de outras legendas que compõem a base aliada de Temer -, além de integrantes do "núcleo duro" do Executivo.

Na delação feita à força-tarefa da Lava Jato, o ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho citou o próprio Temer, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha e o secretário do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Moreira Franco. Na lista de políticos mencionados por ele também aparecem os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O deputado do DEM concorre à reeleição e é o favorito na disputa, com aval do Planalto.

Em entrevista publicada pelo Estado neste domingo, Padilha disse que a Lava Jato não é pauta do governo. "A nossa pauta é gerar empregos e fazer com que a economia tenha a retomada do crescimento", afirmou ele.

Na sexta-feira, Temer se reuniu com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em São Paulo. Os dois conversaram sobre a sucessão do ministro do Supremo Teori Zavascki - o relator da Lava Jato morto em acidente aéreo no último dia 19 -, os rumos do governo e a eleição no Congresso.

Temer examina uma lista com mais de 30 nomes para a vaga no Supremo. A estratégia do Planalto é passar a mensagem de que o presidente não interferirá nos rumos da Lava Jato e, por isso, não cederá a pressões políticas nessa indicação. O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, filiado ao PSDB, está na lista dos cotados para ocupar a cadeira de Teori. Integrantes do Superior Tribunal de Justiça (STJ), porém, fazem pressão para que Temer escolha um integrante da Corte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.