Planalto tem nudez artística na noite do impeachment de Dilma

Autorização para o ensaio, dada pela Coordenação de Relações Públicas do Palácio, causou preocupação e surpresa à segurança; servidora que autorizou a entrada do grupo foi demitida

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2016 | 15h28

BRASÍLIA - Na noite do impeachment, o Palácio do Planalto viveu uma situação inusitada. Uma mulher se deitou no chão do quarto andar, um acima do pavimento do gabinete do presidente Michel Temer, e teve os seios e os braços pintados. Era um ensaio da maquiadora e artista plástica Ana Siqueira, que pinta modelos com reproduções de Athos Bulcão.

No local, há uma parede com azulejos do artista. A cena passaria despercebida, um mero momento artístico, se o local não fosse o palácio e o horário da pintura, das 22 horas às 2 da madrugada, não tivesse sido a noite de um dia tenso, quando Dilma Rousseff, no início da tarde, foi afastada definitivamente e Temer inaugurava seu governo efetivo.

O tom de descontração da cena de pintura, apresentado em um clipe divulgado nas redes sociais pelo fotógrafo Kazuo Okubo, gerou polêmica e despertou a curiosidade de servidores que ainda estavam no palácio, apesar da hora.  A autorização para o ensaio, dada pela Coordenação de Relações Públicas do Planalto, causou preocupação e surpresa à segurança.

A servidora que autorizou a entrada do grupo ao Planalto foi demitida. A Secretaria de Imprensa informou que o trabalho ali desenvolvido "extrapolou qualquer autorização" e "houve uma certa permissividade no ambiente do Planalto".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.