Planalto reitera que Brasil não abre mão do gás da Bolívia

Porta-voz descartou proposta de dar parte do gás à Argentina, em crise energética.

Da BBC Brasil, BBC

20 de fevereiro de 2008 | 16h35

O porta-voz da Presidência da República, Marcelo Baumbach, disse nesta quarta-feira que o Brasil não vai aceitar abrir mão de parte do gás a que tem direito em acordo firmado com a Bolívia para ajudar a Argentina, país que enfrenta uma crise energética."O presidente Lula é sensível à necessidade argentina", disse o porta-voz. "Em momentos críticos de falta de energia na Argentina, o Brasil continuará se esforçando para ajudar, sempre que for viável. Nas condições atuais, entretanto, o Brasil não pode abrir mão do volume de fornecimento contratado. Eu saliento que o Brasil não pode se desabastecer." O assunto deve ser tratado por Lula em uma reunião com o presidente boliviano, Evo Morales, e a presidente argentina, Cristina Kirchner, marcada para o próximo sábado, dia 23, em Buenos Aires.NegociaçãoNa semana passada, Morales disse que iria conversar com Lula e Cristina para que, juntos, encontrem uma fórmula para distribuir o limitado gás boliviano aos dois países. "Na questão da energia temos que atuar dentro da complementaridade entre todos os governos da região", afirmou.A sugestão de que o Brasil abrisse mão de parte de seu gás para ajudar a Argentina foi feita também na semana passada pelo vice-presidente boliviano, Álvaro García Linera, durante visita a Brasília. Anteriormente, o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli e o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, já haviam dito que o Brasil não estava disposto a abrir mão do gás importado da Bolívia.A Bolívia é dona da segunda maior reserva da região, mas a queda nos investimentos tem provocado queda nesta produção energética. O Brasil importa diariamente 30 milhões de metros cúbicos de gás boliviano.Segundo Baumbach, o presidente Lula não irá à Argentina com uma proposta concreta de alternativa a oferecer a argentinos e bolivianos."Por enquanto, não existe nenhuma proposta concreta, existe apenas a disposição de dialogar e auxiliar a Argentina", disse.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
bolivialulamoralesgáspetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.