Planalto quer ponto final no caso

Governo teme não conseguir prorrogar CPMF

Christiane Samarco e Cida Fontes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2013 | 00h00

O governo e o PMDB fecharam um acordo tático para encerrar, até o final deste mês, o processo disciplinar que ameaça o mandato do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O Palácio do Planalto cobra pressa para facilitar a aprovação da emenda constitucional que prorroga a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Os líderes governistas e de partidos da base avaliam que só haverá condições de reunir o mínimo de 49 votos para aprovar o chamado "imposto do cheque" se os aliados conseguirem, antes, pacificar o ambiente político e pôr um ponto final na crise, sem melindrar o PMDB de Renan."O governo vai ter que arrumar o Senado se quiser aprovar a CPMF. Da forma que o governo quer, a oposição não aceita", diz o senador Sérgio Guerra (PE) a respeito do desejo da União de não partilhar os recursos da CPMF com Estados e municípios. Nos cálculos do Planalto, a solução mais simples para superar a crise é a permanência de Renan na presidência. O governo sabe que a sucessão no comando do Senado abriria uma disputa interna no PMDB, rachando o maior partido de sua base de apoio. Esse cenário é inconveniente porque as seqüelas do racha fatalmente comprometeriam a aprovação da CPMF.Amanhã, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara deve rejeitar, por acordo, o substitutivo do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que prevê a partilha da CPMF com governadores e prefeitos.ENTENDIMENTOO líder do PMDB no Senado, Valdir Raupp (RO), afirma que já há entendimento no Conselho de Ética para votar logo o processo contra Renan, independentemente do resultado da perícia."O apelo geral é para votar logo. Ninguém agüenta mais. A demora é ruim para o País, para o Congresso, para o governo, que já começou a ter dificuldade em votações", argumenta o senador Raupp.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.