Planalto prega tom cauteloso de Lula ao defender Sarney

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi aconselhado por assessores a adotar um tom mais cauteloso na defesa do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). A avaliação do Palácio do Planalto é de que Lula já fez o que tinha de fazer pelo aliado na temporada de recesso e não deve mais comentar cada denúncia, para não jogar a crise política em seu colo nas férias parlamentares. Em conversas reservadas, ministros admitem que a situação de Sarney pode se complicar e o presidente precisa deixar a ?blindagem? do senador a cargo do Conselho de Ética.

AE, Agencia Estado

24 de julho de 2009 | 08h39

Porém, Lula ainda não seguiu a orientação dos auxiliares e avalia como calibrar o discurso. Depois de dizer que Sarney não pode ser tratado como ?pessoa comum? e de pedir ao Ministério Público (MP) cuidado com a biografia do investigado, o presidente afirmou ontem que ?é preciso saber o tamanho do crime? para uma investigação correta.

Sarney fez chegar a Lula sua insatisfação com o ministro da Justiça, Tarso Genro (PT). Para o presidente do Senado, gravações feitas pela Polícia Federal durante a Operação Boi Barrica não poderiam ter ?vazado? para a imprensa. A um grupo de amigos Sarney disse que a Polícia Federal ?politizou? a interceptação e suspeita que o PT esteja alimentando a série de denúncias contra ele.

Tarso afirmou que enquanto a investigação esteve sob cuidado exclusivo dos agentes federais, por dois anos e meio, nada foi divulgado. ?Quando o processo foi para o Ministério Público e ficou disponível para as partes interessadas, aí começou a divulgação?, observou o ministro da Justiça. ?Eu estou muito tranquilo: a Polícia Federal é isenta e não participa de debates e ideológicos.? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
SenadoJosé SarneyLulaPlanalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.