"Planalto precisa ter mão sobre o Senado", diz Jefferson

O presidente do PTB, deputado Roberto Jefferson (RJ) acredita que o primeiro assunto na reunião de hoje do Conselho Político da República com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva será a derrota do governo no Senado na votação da medida provisória que proibia o funcionamento das casas de bingo. "Temos que discutir este jogo que o Senado está fazendo, porque o poder hoje está no Senado", disse Jefferson, inconformado com o fato de os senadores desmancharem os acordos feitos entre o governo e seus aliados na Câmara. "O Planalto precisa ter mão sobre o Senado, porque não dá mais para os deputados se desgastarem e os senadores fazerem o papel de bonzinhos", cobra o presidente do PTB, ao listar uma série de propostas do governo aprovadas pela Câmara e rejeitadas em seguida pelo Senado.Além da MP bingos, ele citou a medida provisória que aumentava a Cofins e a PEC paralela da previdência, criada justamente para que os senadores pudessem fazer concessões negadas na proposta aprovada pelos deputados. O temor de Jefferson e dos demais presidentes de partido é o de que a Câmara feche com o governo em favor do salário-minimo de R$ 260 e o Senado aumente este valor. "Se fizerem isto eu terei uma rebelião no PTB", antecipa Jefferson. PMDB defenderá mínimo de R$ 300,00O presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer (SP), defenderá um mínimo de R$ 300 na reunião do conselho. A decisão de sugerir um mínimo mais generoso esta manhã foi tomada ontem, em reunião da executiva nacional do partido. PPS critica falta de diálogo O presidente do PPS, Roberto Freire, criticou a falta de diálogo do governo com a base aliada até agora. Freire participará da primeira reunião do Conselho Político da República com o presidente, como integrante da base aliada. Ele observou, porém, que em um ano e quatro meses o governo conseguiu aprovar tudo o que queria no Congresso Nacional. Para Freire, a discussão sobre o salário mínimo é importante, mas para isso é preciso discutir a política econômica como um todo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.