Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Planalto já projeta impactos negativos da prisão de pecuarista

Auxiliares da presidente avaliam que nova fase de operação atinge o PT, o ex-presidente Lula e ainda abala imagem de Dilma

Tânia Monteiro e Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2015 | 07h14

Brasília - A prisão do pecuarista José Carlos Bumlai preocupa o Planalto. Nos bastidores, auxiliares da presidente Dilma Rousseff dizem que o cerco da Lava Jato está se fechando sobre Lula e o PT e, diante disso, não há como não haver impacto sobre o Planalto.

A ordem no governo e na cúpula do PT, porém, é se distanciar do problema e minimizar a relação entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Bumlai. Em conversas reservadas, ministros do núcleo político do governo dizem que o empresário era conhecido por “usar o nome de Lula”, com o objetivo de vender influência. Destacam, no entanto, que Dilma não tinha qualquer relacionamento com Bumlai.

‘Estabilizador’. A preocupação do Planalto é com o que está por vir após a prisão do pecuarista, pois as informações são de que novos focos de investigação atingirão ainda mais o PT. Em reunião realizada ontem, senadores do partido avaliaram que Lula é o “estabilizador” do governo Dilma e, se ele ficar fragilizado, a ameaça de impeachment – que vinha refluindo – pode ganhar força. No diagnóstico de parlamentares petistas, foi Lula quem conseguiu rearrumar a articulação política do Planalto e segurar o impeachment, graças às “pontes” estendidas na direção do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

“A Polícia Federal faz o seu trabalho com total autonomia e não vejo como as investigações possam interferir no governo”, amenizou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Ao Estado, ele fez questão de destacar que Lula não é investigado na 21.ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Passe Livre. “Tenho total confiança no ex-presidente Lula.”

O fato de a operação se chamar “Passe Livre”, no entanto, já foi visto no Planalto como um indicativo de que o alvo da Polícia Federal é mesmo o ex-presidente. Um auxiliar de Dilma disse ao Estado estranhar muito que Bumlai tivesse “passe livre” no Planalto, pois certa vez até mesmo Frei Chico, irmão do então presidente, foi barrado na portaria do palácio.

A amigos com quem conversou onesta terça, Lula disse que vai reforçar a estratégia de comunicação para se defender, dando agora entrevistas a rádios populares de várias partes do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.