Planalto engessa base em torno de Dilma, critica Ciro

Interessado na disputa, deputado diz que PSB não precisa de ''permissão''

Vera Rosa, O Estadao de S.Paulo

05 de março de 2009 | 00h00

Disposto a concorrer ao Palácio do Planalto, o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) decidiu romper o silêncio e criticar a intenção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de lançar um único candidato da base aliada às eleições de 2010. Em seminário organizado pelo PSB para debater a crise financeira, Ciro não poupou estocadas ao Banco Central, ao sistema de saúde, chamado por ele de "genocídio diário", e à educação. Foi além: disse que o modelo econômico se resume a "usurpar o dinheiro de quem trabalha" e afirmou que o PSB não precisa pedir "permissão" ao presidente para apresentar candidatura.Apesar de tecer elogios à ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff - a escolhida por Lula para sua própria sucessão -, Ciro considerou "um grave erro" o plano do presidente de unificar a base aliada em torno de um só concorrente. "Lula teria sido eleito se fosse um confronto bipolar entre ele e o outro?", questionou o deputado, numa referência ao governador de São Paulo, José Serra (PSDB), que disputou a eleição de 2002 contra o petista e é novamente pré-candidato. Ele mesmo respondeu: "Não seria. Teria perdido sempre."Ex-ministro da Integração Nacional do governo Lula, Ciro avaliou como "precipitada" a discussão sobre a corrida presidencial, mas não deixou dúvidas de que afiou o discurso para o embate e poderá abrir uma dissidência na base aliada. Em sua lista de estocadas, disse que o Banco Central aumentou os juros de forma "inexplicável" em 2008, causando prejuízo ao País "na casa do bilhão"."É absolutamente inacreditável que por duas vezes o Banco Central tenha aumentado a taxa de juros. Mesmo nos manuais básicos de economia todo mundo sabe que ou você aumenta os juros ou afrouxa o compulsório, mas o BC fez as duas coisas quase no mesmo dia", atacou.Mesmo ressalvando que "o Brasil não vai quebrar porque Lula tem administrado bem a crise", o deputado disse temer mais desemprego ao prever um crescimento "inferior a 2%" do PIB neste ano. Argumentou, ainda, que não haverá crescimento enquanto o modelo econômico "transferir o dinheiro de quem trabalha para o rentismo" ou especulação.Com a metralhadora giratória apontada para o ensino público, o ex-ministro insistiu em que a educação "piora a cada dia" e bombardeou o colega Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que, no seu diagnóstico, praticou "chantagem" contra o governo ao propor a CPI dos Fundos de Pensão. O deputado Márcio França, presidente do PSB paulista, cobrou de Ciro o lançamento da candidatura ao Planalto. "Por que Lula tem de estar sempre certo? Por que ele diz que a candidata é a Dilma e nós temos que aceitar? Eu ouso divergir", provocou França.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.