Gabriela Biló|Estadão
Gabriela Biló|Estadão

Planalto e PT avaliam que ‘Fora, Temer’ se enfraquece com denúncia contra Lula

O presidente Michel Temer evitou comentar o caso, mas no governo a avaliação é de que acusações foram 'pesadas' e 'graves' e serviram para 'colocar o PT nas cordas'; a própria cúpula do partido compartilha da avaliação

Tânia Monteiro e Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2016 | 05h00

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer evitou nesta quarta-feira, 14, comentar a denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No governo, no entanto, a avaliação é de que as acusações foram “pesadas” e “graves” e serviram para “colocar o PT nas cordas”, em um momento em que o partido está promovendo manifestações contra o peemedebista pelo País. 

Para assessores do Planalto, os protestos podem diminuir porque o PT perderia força para usar o discurso de “denunciar o golpe”. O entendimento é de que a denúncia terá grande impacto nas eleições municipais para os candidatos petistas. 

A própria cúpula do PT compartilha dessa avaliação. No primeiro momento, quando a acusação ainda se restringia ao triplex no Guarujá, o PT adotou em uníssono o discurso da “perseguição” a Lula. Depois, conforme as notícias de Curitiba chegavam, cardeais do partido admitiram que a denúncia trará impacto negativo para as candidaturas da legenda nas eleições e, principalmente, o enfraquecimento do “Fora, Temer”.

Os sinais de que o PT voltou à defensiva ficarão visíveis a partir desta quarta-feira, na reunião ampliada do diretório nacional do partido com a presença de Lula. O objetivo do encontro era reforçar as mobilizações pelas “Diretas-Já” e contra as reformas trabalhista e da Previdência do governo Temer e iniciar as discussões para a reformulação do PT.

Depois do oferecimento da denúncia, o foco será a defesa de Lula. Por ordem do ex-presidente, seu discurso, marcado para as 13 horas, será aberto à imprensa. 

Cenário. Segundo um parlamentar petista, a ação da Lava Jato chegou “bem no momento em que o PT saía das cordas e começava a encaixar um discurso olhando para a frente”. Apesar da derrota no processo de impeachment de Dilma Rousseff, o PT avalia que a performance da presidente cassada na sessão de julgamento no Senado e seu último discurso fortaleceram na sociedade a tese do “golpe”. Além disso, a agenda de ajuste fiscal do novo governo e as manifestações de rua colocaram Temer na defensiva. 

O caldo criado pelo novo cenário deu aos candidatos a prefeito do partido a oportunidade de nacionalizar as campanhas e pegar carona na impopularidade das medidas econômicas. Muitos deles gravaram com Lula propagandas eleitorais. Agora, avaliam os petistas, a pauta nacional volta a ser negativa para o partido com o retorno da corrupção ao centro do debate. Apesar disso, Lula deve manter a agenda de viagens pelo Brasil em apoio aos candidatos do PT. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.