Planalto demite assessor apontado como lobista de esquema de corrupção

Idaílson José Vilas Boas Macedo, auxiliar da ministra Ideli Salvatti, foi exonerado do cargo após 'Estado' revelar suposto envolvimento com organização suspeita de fraudes em fundos de pensão

Fábio Fabrini, Andreza Matais e Fausto Macedo

20 de setembro de 2013 | 18h40

Brasília - A ministra Ideli Salvatti, da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência (SRI), demitiu no início da noite desta sexta-feira, 20, o assessor especial Idaílson José Vilas Boas Macedo. A decisão foi tomada após o estadao.com.br revelar que, segundo o inquérito da Operação Miqueias, da Polícia Federal, o assessor atuava como lobista da quadrilha acusada de pagar propina a prefeitos para direcionar investimentos de fundos de pensão municipais.

 

Em nota, a SRI anunciou que Idaílson "está exonerado de suas funções a partir da data de hoje". A ministra determinou também a abertura de sindicância para apurar as acusações contra ele.

 

Idaílson é filiado ao PT de Goiás e foi nomeado assessor da SRI em março do ano passado. Segundo a PF, intermediava negociações entre prefeitos e um "pastinha", como são chamados os aliciadores do esquema. Negociações teriam ocorrido dentro do Palácio do Planalto. Procurado, Idaílson não foi localizado. A reportagem deixou recados na caixa postal de seu celular e no seu local de trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Miqueias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.