Dida Sampaio/AE - 16.05.2012
Dida Sampaio/AE - 16.05.2012

Planalto decidiu nacionalizar a disputa em BH, afirma Aécio

Para o senador tucano, desejo do PT por eleger bancada maior de vereadores ajudou a causar fim da aliança com PSB

Christiane Samarco, de O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2012 | 03h00

BRASÍLIA - O senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou nessa quinta-feira, 5, que o PT e a presidente Dilma Rousseff tentam nacionalizar a disputa na capital mineira. Aécio apoia o candidato à reeleição pela Prefeitura de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), que mantinha um acordo desde 2008 com petistas e tucanos. A aliança foi rompida na semana passada. Com o racha, atribuído pelos petistas a articulações de Aécio com vistas à eleição presidencial de 2014, Patrus Ananias (PT) registrou nessa quinta sua candidatura com apoio de mais quatro partidos - PMDB, PC do B, PRTB e o PSD de Gilberto Kassab, afilhado político do candidato tucano à prefeitura paulistana, José Serra. Já Lacerda terá o apoio de 18 partidos.

O PT responsabiliza o PSDB pela ruptura da aliança em Belo Horizonte. O sr. fez pressão?

Quem rompeu foi o PT. Nunca reivindicamos nada. Aceitamos que o PT tivesse a vice pela segunda vez consecutiva e mais de 700 cargos na prefeitura porque achávamos e continuamos achando que Marcio (Lacerda) é o melhor para Belo Horizonte. A verdade é que o PT queria eleger uma bancada maior de vereadores com votos do PSB. Foi um equívoco que custará caro pela incoerência do discurso.

Mas o PT o acusa de nacionalizar a disputa.

O que me parece é que foram o PT e o Palácio do Planalto que decidiram nacionalizar essa campanha. No momento em que a presidente da República deixa seus afazeres e os problemas do Brasil para interferir nos partidos políticos e lançar uma candidatura a prefeito de Belo Horizonte, aí sim há uma real tentativa de nacionalizar a disputa. O PT tem tornado tradição a política de intervenções. Foi assim em São Paulo, quando abriu mão de uma candidatura natural para impor um candidato. No Recife, a política intervencionista fez o partido perder um de seus melhores quadros, que é o deputado Maurício Rands, e a candidatura petista em BH é fruto de mais uma intervenção.

O ex-ministro José Dirceu avalia que o divórcio entre PT e PSB em várias capitais impacta na aliança nacional e aponta para uma candidatura presidencial de Eduardo Campos (PSB-PE).

Há uma avaliação equivocada do PT ao nacionalizar questões. Todas as rupturas foram motivadas por questões locais. Toda vez que o PT tem que optar entre povo e o PT, fica com o PT. Para eles, é mais importante ter mais dois ou três vereadores do que a administração bem avaliada do Marcio. O PT queria ter prefeito como refém.

O sr. disse que seria candidato a presidente contra Lula ou Dilma. Também estaria disposto a enfrentar Eduardo Campos?

O PSDB tem a responsabilidade de apresentar um projeto alternativo a este que está aí e uma nova agenda para o Brasil. Este é um compromisso que o PSDB vai cumprir, obviamente com o lançamento de um candidato a presidente no momento certo, independentemente de quem seja ou quem sejam os adversários.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012aécio nevespsdbpt

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.