Planalto contesta denúncia sobre encontro de prefeitos

Defesa reação de Lula e de Dilma que reclamaram da decisão do DEM e do PSDB de entrar com ações no TSE

LEONENCIO NOSSA, O Estado de S. Paulo

13 de fevereiro de 2009 | 18h01

O Palácio do Planalto apresentou nesta sexta-feira, 13, um balanço "técnico" para contestar denúncia da oposição de que o Encontro Nacional dos Prefeitos, realizado nesta semana, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, teve finalidade eleitoreira. A defesa segue a linha da reação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que em discursos e declarações inflamados na manhã desta sexta-feira, 13, reclamaram da decisão do DEM e do PSDB de entrar com ações no Tribunal de Contas da União (TCU) e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).       Veja também:  Prefeitos participam de fotomontagem com Lula e Dilma Em entrevista na tarde desta sexta-feira, 13, o subchefe de assuntos federativos adjunto, Olavo Noleto, disse que o governo trabalhou durante um ano e meio em parceria com o TCU e até de representantes do DEM na realização do encontro. O assessor afirmou que o Planalto mobilizou uma série de autoridades municipais e estaduais de todos os partidos para elaborar as cartilhas e programas apresentados durante o evento para ajudar prefeitos a melhorar a administração municipal.Noleto disse que "todos" os ministros do governo foram tratados pela organização de forma igual, negando que o objetivo principal do evento era o de promover a candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, à Presidência em 2010. "É legítimo que vocês deem mais visibilidade para um ministro ou uma ministra", disse, referindo-se à imprensa. "Tivemos todos os ministros participando do evento, todos praticamente com o mesmo modelo, o mesmo formato que um ministro falou, os outros falaram".O subchefe de assuntos federativos disse considerar "legítimo" que os partidos oposicionistas façam críticas. "É legítimo que o mundo político repercuta, reaja a isso", disse. "Mas eles (oposicionistas) que me desculpem, isso chega a ser ridículo." Depois, ele apresentou uma série de ações e cartilhas que foram divulgadas no evento para ajudar nas gestões municipais. "Queremos que os prefeitos do DEM também utilizem essas cartilhas."Balanço Dados do balanço apresentado por Noleto mostram que o evento custou R$ 189.999 e mobilizou 15.100 pessoas, sendo 5.300 prefeitos e prefeitas. Apenas 264 prefeitos do País não assinaram a lista de presença, segundo o assessor da Presidência. Noleto afirmou que não fez um balanço de quantos prefeitos do DEM ou do PSDB participaram. "A gente não fez esse recorte", disse. Ele defendeu o setor de Assuntos Federativos do Planalto, que organizou o evento. "A área não faz política pequena, faz política de Estado, faz política institucional", ressaltou. Noleto também comentou sobre uma tenda montada na parte de fora do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, que vendeu fotomontagem instantânea. Prefeitos e assessores podiam comprar um retrato em que apareciam ao lado da ministra Dilma Rousseff e do presidente Lula. O assessor disse que os proprietários da tenda armaram o negócio dentro do Centro de Convenções, mas foram retirados do local. "Fora do Centro de Convenções, qualquer negócio não é problema nosso."

Tudo o que sabemos sobre:
prefeitosencontroPlanaltodenúncias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.