André Dusek/AE 19.10.2011
André Dusek/AE 19.10.2011

Planalto confirma Marcelo Crivella para o Ministério da Pesca

Essa é a terceira vez que a pasta passa por mudanças no governo Dilma; Luiz Sérgio volta para a Câmara

Tânia Monteiro, de Agência Estado

29 de fevereiro de 2012 | 12h08

O porta-voz da Presidência da República, Thomas Traumann acaba de anunciar a nomeação do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) para o Ministério da Pesca e Aquicultura. Ele assume no lugar de Luiz Sérgio (PT-RJ), que volta para a Câmara. Ao anunciar a nomeação, Traumann se referiu ao partido de Crivella como o do "inesquecível" ex-vice-presidente da República, José Alencar.

 

Em nota divulgada há pouco, o governo informa que a nomeação de Crivella significa "a incorporação ao Ministério de um importante partido aliado da base do governo". A ideia do governo, segundo fontes, é aproximar da bancada do PRB, no momento em que outros partidos aliados começam a fazer exigências na base. O PRB reúne 10 deputados e apenas um senador, Crivella. Eduardo Lopes, suplente de Crivella, também é do PRB. De acordo com a nota da Presidência, "a presidenta está segura de que, à frente do Ministério da Pesca e Aquicultura, o senador Marcelo Crivella prestará relevantes serviços ao Brasil".

 

A ida de Crivella ao Planalto pode ser um aceno de Dilma de união com a bancada evangélica, já que o senador é um dos principais porta-vozes dos parlamentares. Recentemente, a nomeação da ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, reascendeu a polêmica sobre a legalização do aborto. As manifestações aconteceram por conta do histórico de apoio à legalização da nova ministra.

 

Além disso, em janeiro, durante o Fórum Social Mundial em Porto Alegre, Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República, teria dito que o governo teria intenção de enfrentar os evangélicos pelo controle ideológico da classe C e que o Planalto prepara uma rede de comunicação para combatê-los. Ele nega. Depois, em reunião com a bancada, Carvalho pediu perdão pela repercussão das declarações dadas. Na ocasião, o ministro disse que a presidente Dilma Rousseff reafirmou que o governo não vai tomar qualquer iniciativa para alterar a legislação sobre aborto.

 

Essa não é a primeira vez que a pasta passa por trocas. No ano passado, Dilma fez um troca-troca ministerial e nomeou a ministra Ideli Salvatti, então titular da Pesca, para a Secretaria de Relações Institucionais (SRI) no lugar de Luiz Sérgio, que assumiu o Ministério de Pesca e Aquicultura, no lugar de Ideli.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.