Planalto comemora aprovação de Fachin

Assessor do governo minimizou rejeição ao nome de Guilherme Patriota para a OEA e considerou de 'extrema importância' a aprovação do jurista para o Supremo Tribunal Federal 

Tânia Monteiro

19 de maio de 2015 | 20h20

Brasília - A presidente Dilma Rousseff comemorou a aprovação do nome do jurista Luiz Edson Fachin para ocupar a vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). No Planalto, segundo uma fonte, a vitória no plenário do Senado foi considerada de "extrema importância" porque a indicação do jurista havia se transformado em uma "disputa política". Portanto, se o nome dele tivesse sido rejeitado pelos senadores, este fato seria classificado como uma derrota pessoal da presidente Dilma.

Da mesma forma, essa fonte do Planalto considera que a sua aprovação foi uma vitória da presidente, em um momento que o mesmo plenário do Senado está prestes a votar importantes medidas do ajuste fiscal, que precisam contar com esses mesmos votos para serem aprovadas.

Por outro lado, a derrubada do nome de Guilherme Patriota, irmão do ex-ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e ex-assessor de Marco Aurélio Garcia, para representar o Brasil na Organização dos Estados Americanos (OEA), obviamente, não foi considerado bom, mas longe de ter o peso do que poderia ter, caso Fachin tivesse sido derrotado pelo plenário.

Para um assessor da presidente, é "óbvio" que é um desgaste e "um baque" a reprovação de Patriota, mas ressaltou que mais importante, neste momento, era aprovar o Fachin. Só que o fato de ser a primeira vez que um diplomata de carreira tem seu nome rejeitado pelo plenário do Senado deixa um alerta no Planalto sobre dificuldades que possam ser enfrentadas ali pelo governo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.