Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Planalto aproveita posse na Cultura para tentar demonstrar unidade e isolar Marta

Dilma ordena e 11 ministros comparecem à transmissão do cargo para Juca Ferreira, para quem a senadora petista ‘quis atirar em Deus e acabou acertando no padre de uma paróquia’

Vera Rosa, Tânia Monteiro e Rafael Moraes Moura, O Estado de S. Paulo

12 de janeiro de 2015 | 20h51

Atualizado em 13.01

Brasília - Numa ação combinada para mostrar unidade do governo e isolar a senadora Marta Suplicy (PT-SP), 11 ministros compareceram ontem à posse do novo titular da Cultura, Juca Ferreira. A ordem para prestigiar Juca e ignorar publicamente as críticas de Marta partiu da presidente Dilma Rousseff. Coube apenas ao novo ministro desqualificar os ataques da antecessora, porque, na avaliação de Dilma, tratava-se de ofensa contra a honra, que precisava ser respondida.

"Eu sou um alvo eventual. Marta quis atirar em Deus e acabou acertando no padre de uma paróquia", disse Juca. "O problema dela é com o PT, com a presidente da República e com o desejo já de algum tempo de ser candidata. Ela está manifestando um mau humor."

Em entrevista publicada pelo Estado no domingo, Marta criticou Dilma, apontou "desmandos e irregularidades" na gestão de Juca quando ele foi ministro do governo Lula (2008 a 2010), chamou o chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, de "inimigo" e disse que o presidente do PT, Rui Falcão, "traiu o partido". Na avaliação de Marta, "ou o PT muda ou acaba".

Dilma ficou indignada com a ex-ministra, que quer ser candidata à Prefeitura de São Paulo em 2016 e sabe que não terá espaço no PT. Motivo: o partido já definiu que o prefeito Fernando Haddad disputará a reeleição.

Para dirigentes petistas, a sucessão de ataques de Marta indica que o desejo dela é criar um fato consumado para deixar o PT e ser candidata por outro partido.

Ministros do Supremo Tribunal Federal ouvidos ontem pelo Estado disseram que dificilmente a Corte teria o entendimento de que a mudança de legenda levaria um ocupante de cargo majoritário, como a senadora, à perda de mandato por infidelidade partidária.

No fim de semana, após ler a entrevista, Dilma conversou com Mercadante, que também falou com Falcão. O presidente do PT esteve ontem no Palácio do Planalto e se encontrou com o chefe da Casa Civil. Lula ainda está em férias, mas petistas o acionaram por telefone.

A estratégia é não dar holofotes para Marta. No diagnóstico de ministros da coordenação de governo, o "diz-que-diz-que" só serve para expor fraturas no PT e no Planalto, alimentar intrigas sobre o relacionamento entre Dilma e Lula e desgastar Haddad.

"Se ela (Marta) quer ir embora, que vá com Deus", disse a presidente, segundo relato obtido pela reportagem. Depois da posse de Juca, Mercadante se recusou a comentar a ofensiva de Marta. "O discurso do Juca fala tudo. Ele fez um belíssimo pronunciamento", esquivou-se.

‘Volta, Lula’. Ao Estado, Marta contou que articulou o movimento "Volta, Lula" com o aval do ex-presidente. De acordo com a senadora, Lula dizia que Dilma não ouvia ninguém e desejava ser candidato, mas preferiu não enfrentar a sucessora.

Para ela, Mercadante "mente" ao afirmar não ter intenção de disputar a Presidência, em 2018, porque "Lula é o candidato do coração da militância", como o ministro disse ao Estado em outubro e em dezembro.

A senadora também revelou ter enviado à Controladoria-Geral da União (CGU) documentos sobre irregularidades em parcerias de R$ 105 milhões, firmadas pelo Ministério da Cultura na primeira gestão de Juca. O ministro rebateu a acusação.

"Eu me senti agredido pela irresponsabilidade com que ela tratou uma pessoa honesta, com quase 50 anos de vida pública", respondeu Juca, que confessou ter sido admirador de Marta nos anos 1980. "Quando eu voltei do exílio, ela tinha um programa de TV e fiquei fã dela por sua coragem em defender a sexualidade feminina e o direito ao orgasmo, coisa que era um tabu", contou. "Depois, minha admiração cresceu quando ela foi prefeita. Mas ela não foi tão boa ministra."

No Planalto, ministros observaram que Marta nunca falou para Dilma o que disse na entrevista nem discutiu esse assunto internamente no PT.

Para Marco Aurélio Carvalho, amigo de Marta e coordenador do Setorial Jurídico do PT, as críticas da senadora não devem ser superdimensionadas. "O PT cresceu com as divergências e a história de Marta e do partido se confundem. Ela é um grande quadro, que merece nosso reconhecimento. Espero que tudo fique no campo do debate político."

A direção do PT vai buscar pontes de diálogo com Marta. Um dos cotados para a tarefa é o presidente do diretório paulista, Emidio Souza, que está em férias. Emidio deve conversar com a senadora e, caso seja confirmada a intenção dela de deixar o PT, pode ajudar a construir uma saída amigável - de preferência, para um partido aliado. / COLABORARAM RICARDO GALHARDO, RICARDO BRITO e RICARDO DELLA COLETTA

 

Tudo o que sabemos sobre:
Marta SuplicyPTDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.