Mastrangelo Reino/Estadão
Mastrangelo Reino/Estadão

Pizzolato poderá ser extraditado a partir de 22 de outubro, diz Itália

Roma - O condenado no julgamento do mensalão Henrique Pizzolato poderá ser extraditado ao Brasil a partir do dia 22 de outubro. O Ministério da Justiça da Itália informou a nova data um dia após ter prorrogado por mais duas semanas a extradição do ex-diretor do Banco do Brasil, que chegou a ser marcada para esta quarta-feira, 7. A informação foi dada por fontes da Interpol e do próprio ministério.

Janaina Cesar, Especial para O Estado de S. Paulo

07 de outubro de 2015 | 10h38

No fim da tarde desta terça-feira, 6, algumas horas após o advogado de Pizzolato ter revelado que a Corte Europeia de Direitos Humanos, na França, havia negado recurso que pedia a suspensão da extradição do brasileiro, o ministro da Justiça italiano, Andrea Orlando, decidiu prorrogar o prazo para entrega do ex-diretor a autoridades brasileiras.

De acordo com fontes do ministério e da Interpol, Orlando teria cedido à pressão política de um grupo de 22 parlamentares que abraçaram a causa de Pizzolato e tentam evitar a extradição do brasileiro. Os senadores que apoiam Pizzolato são de Módena, região em que o ex-diretor se refugiou após deixar o Brasil usando um passaporte falso. Todos esses parlamentares, exceto Carlo Giovanardi, são do Partido Democrático, o mesmo de Orlando, que também é de Módena.

Giovanardi rebateu ontem à tarde a tese da não extradição ao vice-ministro da Justiça. “Ele está preso aqui, não está na rua. Além disso, é um cidadão italiano.”

Segundo a assessoria de imprensa do ministro, a prorrogação foi necessária para concluir questões burocráticas que ainda estão pendentes. “Precisamos de tempo para concluir a prática da decisão da Corte Europeia”, diz o gabinete.

Um agente da penitenciária Sant'Anna, onde o brasileiro está preso esperando para ser levado ao Brasil', disse que a unidade recebeu uma comunicação oficial na noite de ontem, em que se informava apenas a prorrogação da extradição, sem mais detalhes.

O representante legal do Ministério da Justiça italiano, Giuseppe Albenzio, afirmou que, enquanto espera extradição, Pizzolato pode apresentar outro recurso à Corte Europeia de Direitos Humanos, desde que haja nova motivação. "Não conhecemos as motivações apresentadas pela defesa de Pizzolato, tanto menos o motivo pelo qual a Corte rejeitou a suspensão. Ainda não temos a cópia da documentação, mas ele (Pizzolato) poderá entrar com novo recurso se existirem novas motivações", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.