Mastrangelo Reino/Estadão
Mastrangelo Reino/Estadão

Pizzolato estará à disposição do Brasil a partir de 11 de maio

Governo brasileiro ainda não recebeu comunicado oficial da Itália mas quer fazer a transferência o mais rápido possível, diz ministro

Beatriz Bulla, Talita Fernandes e Andreza Matais , Estadão Conteúdo

27 Abril 2015 | 21h25

Brasília - O ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no processo do mensalão, será colocado à disposição do governo brasileiro para retorno ao País a partir do dia 11 de maio. O comunicado foi feito de forma extraoficial pela Itália a autoridades brasileiras. A partir desta data, começará a contar o prazo final de 20 dias dado ao Brasil para providenciar a viagem.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta segunda-feira, 27,que o governo brasileiro ainda não recebeu o comunicado oficial da Itália sobre a data a partir da qual Pizzolato será liberado, o que deve ocorrer nos próximos dias. "Nossa ideia é fazer (a transferência) assim que possível", afirmou o ministro. Segundo ele, o retorno do ex-diretor do BB deve ser realizado antes do prazo final de 20 dias.

"Vamos fazer isso da maneira mais reservada possível dentro daquilo que o tempo nos permite. É desejo nosso que façamos com a maior agilidade toda a transferência", completou Cardozo.

A Polícia Federal tinha previsto inicialmente a volta de Pizzolato para a próxima quinta-feira, 30. Logo depois a data foi descartada, diante da ausência de comunicação oficial por parte da Itália. Nesta terça-feira, 28, a PF realiza uma reunião para discutir a data da viagem e os trâmites logísticos.

Condenado a 12 anos e 7 meses de prisão, Pizzolato deve descontar do total da pena o período que já permaneceu preso na Itália, de 11 meses. A extradição do ex-diretor do Banco do Brasil foi autorizada pela Itália na última sexta-feira, 24. "Nós tínhamos confiança que o governo italiano atenderia nossa solicitação", disse Cardozo nesta segunda-feira.

Pizzolato deve ser transportado em voo comercial para Brasília, onde cumprirá pena no Complexo Penitenciário da Papuda, presídio no qual outros condenados no mensalão já cumpriram pena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.