Alexandro Auler/Estadão
Alexandro Auler/Estadão

Pizzolato deve ser trazido para o Brasil na 5ª feira, segundo PF

Previsão foi dada após a Interpol ser comunicada da decisão do governo italiano de extraditar o ex-diretor do Banco do Brasil

Andreza Matais, O Estado de S. Paulo

25 Abril 2015 | 11h21

BRASÍLIA - A Polícia Federal deve buscar Henrique Pizzolato na Itália na próxima quinta-feira, 30. A previsão foi considerada nesta sexta-feira, 24, após a Interpol ser comunicada da decisão do governo italiano de extraditar para o Brasil o ex-diretor do Banco do Brasil, condenado no esquema do mensalão.

Quatro policiais irão para a Itália. Os envolvidos na operação ainda avaliam se ele será trazido em avião de carreira ou do governo brasileiro. A volta em avião comercial poderia gerar tumulto no voo. Como é uma viagem da Itália para o Brasil, geralmente, a maioria dos passageiros é daqui do País. O ex-diretor poderia ser hostilizado, causando problemas para um voo comercial.

A decisão do governo italiano sobre a extradição de Pizzolato, antecipada nesta sexta-feira, 24, pelo Estadão.com.br, foi baseada em compromisso do governo brasileiro de que há presídios no Brasil com boas condições para o ex-diretor cumprir sua pena. A defesa de Pizzolato na Itália argumentava que os presídios no País desrespeitam os direitos humanos.

O governo italiano cobrou o compromisso do Brasil porque Pizzolato tem dupla cidadania. Ele fugiu para a Itália para escapar de cumprir pena de 12 anos e sete meses de prisão, por lavagem de dinheiro e peculato no processo do mensalão, que envolvia compra de apoio político para o governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Pizzolato sempre negou as acusações e se diz um preso político. Ele deve cumprir pena no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília.

Mais conteúdo sobre:
MensalãoPizzolatoPrisãoBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.