Pitta vai depor amanhã na CPI da Dívida Pública

O ex-prefeito de São Paulo, Celso Pitta (PTN) presta depoimento amanhã, às 13 horas, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Dívida Pública, na Câmara Municipal. Ele será ouvido na qualidade de secretário municipal das Finanças do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB), no período de 1993 a 1996. No dia 30, está previsto novo depoimento de Pitta na CPI, desta vez para responder sobre transações financeiras no período em que foi prefeito da capital. O objetivo da comissão é investigar operações da Prefeitura realizadas entre 1990 e 2000. No depoimento de amanhã, os vereadores querem que Pitta responda sobre a emissão de títulos públicos durante a gestão de Maluf, operações que eram coordenadas pelo secretário das Finanças. A dívida atual da Prefeitura com precatórios é de cerca de R$ 4,5 bilhões. Segundo a presidente da CPI, vereadora Anna Martins (PC do B), Pitta terá de explicar "o jogo contábil como consta de farta documentação do Tribunal de Contas do Município, que apresentava excesso de arrecadação no final de um ano e a falta de recursos em janeiro do ano seguinte". Ela lembrou que, em 1995, havia um excesso de arrecadação no valor de R$ 1,8 bilhão, "que na realidade não passava de R$ 200 milhões, obrigando a Prefeitura a tomar dinheiro emprestado do Instituto da Previdência Municipal. O mais estranho, para a vereadora, é que isso ocorreu em um ano eleitoral. "Embora os balanços da Prefeitura apontassem superávit, as dívidas subiram 114%", explicou. "Pelo que estamos observando, a dívida municipal constatada em R$ 18,5 bilhões é muito superior a este valor, devendo chegar a R$ 20 bilhões", completou.O ex-secretário de Comunicação do governo Pitta, Antenor Braido, confirmou a presença do ex-prefeito na Câmara amanhã. "Ele irá explicar que deixou o governo Maluf sete meses antes com a situação perfeitamente em ordem", disse Braido. Segundo ele, durante o governo Pitta não foi emitido nenhum título público para pagamento de dívidas.A CPI também quer ouvir o ex-prefeito Maluf, na próxima semana. "O Maluf deverá depor no dia 23, embora ele tenha fugido três vezes para não assinar a intimação", afirmou Anna Martins.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.