Pistoleiros matam vereador que denunciava grilagem e corrupção no Pará

O vereador Gerson Cristo (PT), 40 anos, que denunciava havia anos a grilagem de terras, a devastação da floresta amazônica e a exploração ilegal de madeira, foi assassinado com três tiros na cabeça, no sábado, por dois pistoleiros que estavam de motocicleta, em São Félix do Xingu, no sul do Pará. A polícia investiga o caso, mas a família de Gerson acredita em crime de encomenda. A vítima tinha também inimigos políticos em razão de suas denúncias de corrupção na Câmara Municipal e em gestões passadas da prefeitura. "Os pistoleiros chegaram dizendo que queriam abastecer a moto com gasolina. O Cristo já tinha fechado o posto, mas se preparava para pegar a chave e reabrir a bomba de combustível quando levou três tiros", contou o presidente da Associação de Agricultores da Sudoeste, Magnobaldo José dos Santos, o Tonhão.O vereadorEle disse que Gerson era um homem corajoso e que defendia os lavradores contra os grileiros e empresas ilegais de madeira que invadem terras da União para derrubar a floresta. Os familiares vão pedir garantia de vida às autoridades estaduais pois estariam recebendo ameaças anônimas. O crime aconteceu no começo da noite de sábado em um posto de gasolina de propriedade do vereador no assentamento Sudoeste, a 230 km da sede do município. O corpo foi levado de avião para o IML de Marabá. O delegado Renato da Fonseca, responsável pelas investigações, disse que os pistoleiros ainda não foram presos. A mulher de Gerson viu os criminosos e resolveu sair de São Félix, temendo represália.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.