Piso de salário mínimo terá aumentos menores, diz ministro

O ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, ao fazer a avaliação de que a nova regra de longo prazo para reajuste do salário mínimo não afetará a contenção das despesas correntes da União, afirmou ainda que ela garantirá que o piso nacional de salários tenha aumentos reais inferiores aos dos últimos anos. Em 2005, por exemplo, o mínimo foi corrigido em perto de 12% acima da inflação. Agora, com o valor fixado em R$ 380, o aumento real será da ordem de 5%. Nos dois casos, o aumento real foi maior do que a variação do PIB."As centrais sindicais concordaram (com a nova regra), porque, ao contrário de alguns, eles acreditam que a economia crescerá forte nos próximos anos", comentou Bernardo. Ainda assim, o governo tentou fazer uma regra menos camarada. A proposta inicial era de que o mínimo fosse corrigido pela inflação acrescida do PIB per capita, o que resultaria em reajustes menores. Se essa regra tivesse sido aplicada agora, o mínimo ficaria em R$ 367. Diante da recusa das centrais, foi colocada sobre a mesa a proposta de inflação mais 80% da variação do PIB. No fim, prevaleceu o PIB integral.Essa nova regra obrigou a que todas as projeções para o comportamento das contas públicas nos próximos anos fosse refeita. Essa foi uma das causas do adiamento do anuncio do pacote de medidas econômicas, previsto inicialmente para o dia 21 de dezembro e remarcado para a Segunda quinzena de janeiro de 2007.Outra despesa que o governo espera desacelerar nos próximos anos é a da folha de salários. A proposta constante do conjunto de medidas apresentadas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última quarta-feira é de que os salários só poderão ter crescimento real, acima da variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 1,5% ao ano. Se a proposta for aprovada pelo Congresso, os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, nas três esferas de governo (União, Estados e municípios), precisarão conter seus reajustes salariais nesses limites.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.