Pires diz que tem poderes limitados para solucionar crise

O ministro da Defesa, Waldir Pires, participa na manhã desta quarta-feira, 11, de audiência pública na Câmara para debater as causas da crise aérea no País. Durante sua fala, o ministro afirmou que seu poder em relação ao comando aéreo, como ministro, é limitado: "a competência, diz o artigo 18 da lei complementar, é da Aeronáutica e do comandante da Aeronáutica", justificou."O ministro da Defesa não tem poder para isso e sabe que não teria competência para as medidas que seriam tomadas", acrescentou. Waldir Pires disse ainda que o país vive uma crise "decorrente de fatos que têm de ser vencidos e modificados".Pires afirmou que diagnósticos sobre o setor aéreo estão sendo feitos e aprimorados pelo governo. Segundo ele, o setor aéreo brasileiro tem problemas de recursos humanos e equipamentos. "Mas essa é a rotina em um país em desenvolvimento", minimizou.Os deputados ainda devem ouvir o comandante da Aeronáutica, comandante Juniti Saito, o presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), José Carlos Pereira, e o presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, também participam da audiência, na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, de Defesa do Consumidor e de Turismo e Desporto da Câmara.Os deputados também querem informações sobre a construção, modernização e reforma de aeroportos e sobre a transferência de alguns vôos do Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista, para o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, e o Aeroporto de Viracopos, em Campinas, em caráter emergencial. Em outra comissão, a de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, o diretor da Anac, Josef Barat, fala às 11 horas sobre os efeitos da crise do setor aéreo. Barat coordena a força-tarefa criada pelo Executivo para estudar a crise. Texto ampliado às 11h11 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.