Pirataria cresce no interior paulista

Cerca de 9 mil CDs e 11 drives, com potencial de duplicação de 660 mil CDs por ano, além de outros equipamentos de informática, foram apreendidos na última terça-feira, 23, em três operações policiais nas cidades de Campinas e Indaiatuba, interior do Estado. De acordo com a Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos (APDIF), somente este ano foram apreendidos 311 mil CDs, entre falsificados e virgens. A entidade fez um ranking das 10 cidades com mais casos de pirataria de CDs no interior de São Paulo, com base no número de discos apreendidos pela polícia no primeiro semestre deste ano. Campinas é a primeira da lista, com mais de 100 mil CDs; em seguida vêm Franca, com 27 mil; São José dos Campos, com 20 mil; São José do Rio Preto, com 13 mil; Matão e Araraquara, com 10 mil; Santos, com 8 mil, e Mogi Guaçu, Pindamonhangaba e Araçatuba com 6 mil CDs piratas apreendidos.Segundo estatísticas da Associação Brasileira dos Produtores de Disco (ABPD), 59% dos discos comercializados no Brasil em 2002 eram falsificados, o que movimentou R$ 780 milhões e fez cair as vendas reais de CDs originais em 68%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.