Piñera se vê como modelo para Serra derrotar Dilma

Piñera se vê como modelo para Serra derrotar Dilma

Presidente chileno disse que sua vitória eleitoral pode 'render boas lições' ao tucano

João Paulo Charleaux, de O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2010 | 11h36

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, que se reúne nesta sexta-feira, 9, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Brasília, disse que existe muito em comum entre ele e o pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, e que essas "coincidências" podem "render boas lições" ao tucano.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifOuça as declarações de Sebastián Piñera

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifSerra recebe visita do presidente do Chile

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifPiñera quer apoio de empresários brasileiros para reconstruir o Chile

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifDilma conversou com Piñera sobre percalços de uma campanha política

 

 

"Há uma coincidência entre nós. Eu competi contra uma presidente muito popular. Serra terá de enfrentar um presidente muito popular. Há nisso coincidências que podem render boas lições", disse Piñera em entrevista concedida ao Estado.

 

"Apesar da popularidade da presidente (Michelle Bachelet) e da Concertação (coalizão do governo anterior no Chile) ter ficado 20 anos no poder, sentindo-se escolhida por Deus para governar, nós conseguimos vencer democraticamente."

 

O mandatário chileno, que encontrou José Serra na quinta-feira, 8, à noite, na sede do governo paulista, disse conhecer "bem" o tucano. "Ele viveu no Chile nos anos 70, é casado com uma chilena e eu tenho muito respeito e admiração por ele", observou.

 

Oriundo de uma coalizão de centro-direita, Piñera é o primeiro político ligado à direita a governar o Chile desde o fim da ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990). Além disso, o chileno encerrou duas décadas de domínio no país da Concertação, grupo de partidos de centro-esquerda, do qual fazia parte a ex-presidente Michelle Bachelet.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.