Pinaud deixa a Comissão de Mortos e Desaparecidos

O presidente da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos da Presidência, João Luiz Duboc Pinaud, anunciou nesta segunda-feira que vai pedir demissão por discordar da diretriz do governo Lula na questão dos arquivos da ditadura militar.Segundo ele, há falta de condições administrativas para realizar as tarefas do cargo, que ele assumiu em 29 de junho deste ano. "Se é para viver uma farsa, só para representar, chamem um ator", disse na sede da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio. Ele disse que todo o tempo que esteve na Comissão não recebu apoio, "só bloqueios". Para ele, "o conhecimento desses fatos não tem cunho punitivo, mas corresponde ao direito que o povo tem de conhecer seu passado." Pinaud negou que a reação dos militares à divulgação de fotos de um homem torturado nos anos 70, que inicialmente pensou-se ser o jornalista Vladimir Herzog, e a posterior demissão do ministro da Defesa, José Viegas, tenham influenciado sua decisão.Ele informou que vai apresentar a sua a carta de demissão ao presidente na próxima reunião da Comissão, dia 12 de dezembro. "Até lá, vou submeter o texto às instituições às quais pertenço, como a OAB e a Igreja Brasileira de Confissão Luterana, ou que me apóiam, como a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.