Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Pimentel põe 'à venda' a Cidade Administrativa

Projeto do governador petista prevê um ‘fundo imobiliário’ com cotas do complexo construído na gestão de Aécio Neves em Minas

Alex Capella, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

31 Março 2017 | 00h12

BELO HORIZONTE - Inaugurada pelo então governador Aécio Neves (PSDB), a Cidade Administrativa do governo de Minas foi “colocada à venda” nesta quinta-feira, 30, pelo atual governador do Estado, Fernando Pimentel (PT). 

O petista encaminhou à Assembleia Legislativa projeto que cria um fundo de investimento imobiliário que possibilitará uma divisão em cotas do complexo administrativo e de outros quatro mil imóveis em uso no Estado. A expectativa do governo é de arrecadar cerca de R$ 4 bilhões com o fundo imobiliário.

A Promotoria de Defesa do Patrimônio Público do Ministério Público Estadual investiga suspeitas de fraude à licitação nas obras do complexo projetado por Oscar Niemeyer. 

O inquérito civil público foi aberto em setembro do ano passado após vir à tona que o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro citaria em delação premiada na Operação Lava Jato o pagamento de propina de 3% do valor do empreendimento – que ficou em R$ 1,2 bilhão – ao empresário Oswaldo Borges da Costa Filho, que presidiu a estatal Codemig, responsável pela obra. A delação de Léo Pinheiro foi suspensa.

Pimentel sempre foi contra a construção da chamada Cidade Administrativa, que ocupa 804 mil metros quadrados, sendo 265 mil metros de área construída. Quando assumiu, passou a despachar no Palácio da Liberdade, antiga sede do Executivo mineiro. 

Agora, diante de grave crise financeira, o petista espera cotizar o complexo em ações no total de R$ 2 bilhões, ou seja, o valor gasto para a construção da obra. O Estado então passaria a pagar aluguel pelo uso dos prédios públicos. Outros R$ 2 bilhões devem ser arrecadados com a negociação de outros imóveis espalhados pelo Estado.

Crítico às reformas pretendidas pelo presidente Michel Temer (PMDB), que prevê a venda de ativos, o governador petista ressaltou que não está colocando à venda os prédios públicos. Segundo ele, a medida busca alavancar recursos para aliviar o fluxo do Estado que, somente com a folha do funcionalismo, gasta R$ 3,2 bilhões por mês. “Não vamos privatizar nada, não vamos vender nada. A proposta vai permitir a utilização desses ativos, que hoje não rendem nenhum rendimento ao Estado, de uma maneira inteligente.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.