Pimentel: Economia brasileira 'está se saindo muito bem'

O ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) rebateu nesta quinta-feira as críticas do presidente do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, para quem as medidas de incentivo ao consumo "não resolvem" a necessidade de investimento do País. De acordo com o petista, a economia brasileira "está se saindo muito bem", principalmente diante do quadro de crise econômica que atinge parte dos países desenvolvidos.

MARCELO PORTELA, Agência Estado

13 Junho 2013 | 18h29

Cotado para a disputa presidencial de 2014, Campos afirmou na quarta-feira, 12, que o anúncio de linhas de crédito para a compra de eletrodomésticos feito pouco antes pela presidente Dilma Rousseff é "insuficiente" para "alavancar investimentos públicos e privados" no País. "O Brasil está atraindo investimentos, sim. Nós temos hoje a terceira colocação mundial como país mais atraente para investimentos estrangeiros em todas as áreas", declarou Pimentel, durante inauguração de uma fábrica de veículos de defesa da Iveco em Sete Lagoas, na região central de Minas.

Segundo o ministro, a situação da economia brasileira deve ser analisada sob o foco da crise econômica que atinge boa parte das nações desenvolvidas e, neste cenário, o País está "muito bem". "O mundo está mergulhado numa crise de vastas proporções. A economia europeia está estagnada, a americana também e a China entrou num período de forte desaquecimento econômico. Isso tudo afeta de alguma forma o Brasil. Mas não prejudicou em nenhum momento o nível de emprego, de renda e nem o desempenho da nossa economia", avaliou.

Pimentel admitiu que o crescimento do produto interno bruto (PIB) brasileiro no ano passado ficou aquém das expectativas - o crescimento foi de 0,9%, o menor em três anos -, mas salientou que seria "injusto" dizer que a economia do País foi "fortemente atingida" pela queda na atividade econômica mundial. "Estamos com pleno emprego, as contas públicas estão equilibradas e estamos atravessando muito bem essa tempestade - que é uma tempestade - da crise internacional", disse.

Apesar de rebater as declarações de Campos, o ministro evitou polemizar com o socialista, que estará ao lado de Pimentel durante evento empresarial que será realizado nesta sexta-feira, 14, em Araxá, na região do Alto Paranaíba, em Minas. Questionado sobre a possibilidade de as declarações do pernambucano serem influenciadas pela eleição presidencial de 2014, Pimentel descartou fazer críticas ao governador. "Não vou fazer nenhum comentário que possa soar de forma desairosa ao governador Eduardo Campos, que é um amigo nosso, meu amigo pessoal", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.