Pimentel defende apoio do PT a Aécio

Para o governador de Minas, é o Senado quem tem de analisar decisão do Supremo de afastar senador mineiro

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2017 | 14h26

BRASÍLIA - Alvo de denúncia na Operação Acrônimo, o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, afirmou nesta terça-feira, 3, que apoia a posição de seu partido, o PT, em defesa do Senado como instância para analisar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de afastar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) do mandato. Para Pimentel, que é adversário político do tucano no Estado, a posição é constitucional e não trará desgaste político para os petistas.

"Apoio a decisão do PT. A linha está correta. O Senado tem que se pronunciar. Não vai trazer desgaste nenhum", afirmou, em rápida entrevista após participar de almoço com deputados de Minas no gabinete do 1º vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB-MG). "A posição do PT é uma posição constitucional, republicana. Acho que está correta, independente dos personagens", acrescentou o petista, que disputará reeleição em 2018.

+++ 'Torcer pela prisão de Aécio é equívoco', diz líder do PT na Câmara

O governador almoçou com parlamentares mineiros após participar de audiência pública no Senado sobre mineração. No evento, Pimentel afirmou que a Cemig terá de buscar outras fontes de geração de energia para recompor suas operações, após o leilão das quatro usinas hidrelétricas que a empresa controlava. "Esse assunto foi vencido com o leilão. Vamos cuidar agora de recompor a capacidade de geração da Cemig com outras fontes", declarou.

STATUS

Em abril, investigações de nove governadores, incluindo Pimentel, com base nas delações de executivos do grupo J&F foram enviadas ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

+++ STJ pode abrir 14 inquéritos contra governadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.