Pimenta volta a ser cotado para presidir PSDB

A candidatura do ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga (PSDB-MG), à presidência do partido ressurgiu e ganhou força inesperada na reunião que a cúpula do PSDB fez esse fim de semana na cidade. Segundo participantes do encontro, se formou um consenso em torno de Pimenta, que teria força, liderança e respaldo suficientes no partido para negociar as alianças políticas durante a campanha presidencial.O nome do tucano mineiro não é novo, mas havia sido deixado de lado pelo PSDB porque a cúpula do partido entendia que não poderia ter no comando alguém que ocupasse também cargo no Executivo. Esse impedimento, entretanto, já começa a ser relativizado. ?Como a desencompatibilização para concorrer às eleições do ano que vem, o ministro Pimenta da Veiga ficaria ocupando as duas posições por muito pouco tempo?, explicou o governador do Mato Grosso, Dante de Oliveira. A saída dos ministros políticos do governo foi marcada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso para dezembro.A eleição de Pimenta da Veiga para a presidência do partido também serve à necessidade dos tucanos de fortalecer a cúpula do partido. De acordo com o governador do Ceará, Tasso Jereissati, é preciso que o PSDB tenha uma Executiva forte, que inclua a participação de ministros e governadores. Hoje, a direção do PSDB é composta majoritariamente por parlamentares. Com essa alteração no perfil de comando, o PSDB procura também unificar o partido já de olho nas eleições em 2002, quando será discutida a manutenção da aliança política com PMDB e PFL, que hoje integram a base do governo.O consenso em torno de Pimenta da Veiga ficou demonstrado durante a participação da cúpula do partido na convenção estadual do PSDB, que estava sendo realizada em Belém. O ministro das comunicações fez discurso de líder. Primeiro a falar, o ministro falou de união e ética no PSDB. ?Este sucesso (do partido na Presidência da República), não se iludam as oposições, não tem data para acabar?, disse o ministro. ?Vamos continuar administrando e reformando o Brasil?. Além de Pimenta da Veiga, o secretário de Ciência e Tecnologia de São Paulo, José Aníbal, o líder do governo no Congresso, Arthur Virgílio (AM) e o líder do PSDB na Câmara, Arnaldo Madeira (SP) já foram cotados para o cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.