Pimenta da Veiga minimiza denúncia contra Aécio

O candidato do PSDB ao governo de Minas Gerais, o ex-ministro Pimenta da Veiga, minimizou nesta segunda-feira, 21, o fato de que seu principal fiador político, o senador e presidenciável tucano Aécio Neves (MG), destinou recursos do governo mineiro durante sua gestão à frente do Executivo estadual para obras em um aeroporto em propriedade que pertencia a um parente. Questionado sobre a possibilidade de a investigação do Ministério Público Estadual (MPE) de Minas em torno do caso prejudicar de alguma forma sua campanha, Pimenta avaliou que "esta denúncia não tem nenhuma importância, já foi tudo explicado".

MARCELO PORTELA, Agência Estado

21 de julho de 2014 | 20h33

"(A denúncia) não tem nenhuma dimensão. Isto não se sustenta por horas, não tem nenhuma importância isso. Já foi suficientemente explicado", declarou o ex-ministro. Ele salientou que a obra, executada no fim do segundo mandato de Aécio no governo a um custo de R$ 13,9 milhões, foi feita em aeroporto "dentre muitos feitos em Minas Gerais". "Não se podia fazer uma perseguição a uma região, apenas porque dona Risoleta Neves nasceu lá", ressaltou, referindo-se à avó do senador.

"Todo o procedimento foi correto. Portanto, isso não se sustenta, mas é natural, nesta fase de campanha, que haja fatos como esse. Mas não temos nenhuma preocupação (em relação ao caso). Os fatos estão suficientemente explicados", disse. Neste segunda-feira, Pimenta acompanhou visita do senador ao Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, na região metropolitana de Belo Horizonte, tradição criada pelo avô do presidenciável tucano, o ex-presidente Tancredo Neves, e que foi seguida por Aécio nas últimas disputas eleitorais das quais participou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.