Pimenta da Veiga defende reforma ministerial

O ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga, defendeu o início imediato da campanha do pré-candidato do PSDB, José Serra, à Presidência da República. Segundo ele, não há mais disputa interna que justifique a demora no início da campanha, já que o governador do Ceará, Tasso Jereissati, retirou-se. Pimenta quer que o presidente Fernando Henrique Cardoso faça a reforma ministerial ainda neste mês, para que sejam substituídos os ministros que disputarão a eleição.Pimenta disse que conversará com o presidente Fernando Henrique sobre o assunto na próxima semana. "Desde o início defendi a saída dos ministros em dezembro, mas isso é uma decisão do presidente", comentou. Quanto a Serra, Pimenta acha que seu caso é diferente. Portanto, deveria sair imediatamente, para dar início à campanha.Para o ministro, os partidos da atual aliança - PSDB, PFL, PMDB e PPB - devem continuar buscando a manutenção do acordo para as próximas eleições. Ele disse ainda que é compreensível o fato de o PFL dar prioridade à governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PFL), que ocupa boa posição nas pesquisas eleitorais. "Mas esse é o quadro de hoje, e temos que continuar buscando a aliança".Pimenta disse ainda que não acredita que a crise argentina deverá trazer reflexos ao processo eleitoral brasileiro. Ele afirmou que as diferenças existentes entre os dois países na área econômica também se refletem no campo político. "Não creio que a crise possa repercutir aqui", disse. Em sua avaliação, a crise Argentina é essencialmente política, embora tenha fundamento econômico. "Faltou liderança política para convencer o Congresso e a opinião pública sobre as medidas econômicas que precisavam ser feitas", disse o ministro."Não é o parlamento que faz o movimento de rua, mas é através do parlamento que a rua analisa os fatos", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.