Márcio Fernandes/Estadão - 13.08.2014
Márcio Fernandes/Estadão - 13.08.2014

Pilotos do acidente de Campos não tinham treinamento adequado, diz Cenipa

Primeira fase da investigação conduzida pela Aeronáutica, confirma informação antecipada pelo 'Estado' sobre falta de treinamento da tripulação para o modelo que transporta o presidenciável

Lígia Formenti e Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

26 de janeiro de 2015 | 16h23

Atualizado às 22h45

Brasília - O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) confirmou nesta segunda-feira, 26, que a tripulação que transportava o presidenciável do PSB Eduardo Campos não havia realizado treinamento para operar o modelo Cessna 560 XLS e ignorou a rota determinada pelos manuais para aproximação da Base Aérea de Santos, no município de Guarujá, no litoral paulista. As informações haviam sido antecipadas pelo Estado. O avião caiu no dia 13 de agosto, em Santos, matando sete pessoas: além do candidato, assessores e a tripulação.

“O piloto fez de forma diferente do que está previsto na carta, tanto na descida quanto na arremetida”, afirmou o tenente-coronel Raul de Souza, investigador do caso. De acordo com ele, o desrespeito às recomendações de aproximação não é comum. As orientações são dadas justamente para garantir maior segurança de voo. As informações prestadas pelo piloto pelo rádio não condiziam com a imagem apresentada pelo radar, analisada pelo Cenipa.

O avião de Campos havia saído do Aeroporto Santos Dumont, no Rio, rumo à Base Aérea de Santos, no Guarujá. A previsão era a de que, depois de realizado um compromisso de campanha, o candidato fosse para Congonhas. O acidente ocorreu às 10h03, 40 minutos depois da decolagem. De acordo com Souza, as condições meteorológicas pioraram entre a decolagem e a chegada em Santos, mas nada que comprometesse a segurança da operação.

Sem data. Investigações preliminares indicam não haver indícios de falha técnica no avião. A partir de agora, a ênfase será dada na análise de fatores humanos e operacionais que possam ter levado ao acidente. Embora nenhum problema tenha sido encontrado no avião, o Cenipa evita falar em falha humana, neste estágio das investigações. A equipe, composta por 18 integrantes, concluiu a fase de coleta de dados. Um novo relatório deverá ser apresentado, mas a data não está definida.

Tanto o piloto Marcos Martins quanto o copiloto Geraldo Magela Barbosa não tinham a proficiência requisitada para conduzir o avião. O investigador, no entanto, diz que é necessário avaliar o quanto essa deficiência foi determinante para o acidente. “A não habilitação é um fator de contribuição. Não podemos atribuir o fato ao acidente, mas é uma situação de incerteza.” 

Prova dessa incerteza foi a recomendação, feita pelo Cenipa à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)para que verifique se as tripulações habilitadas para voar o modelo Cessna 560 XLS no Brasil tenham recebido o devido treinamento. “Cabe à Anac adotar os procedimentos para eliminar qualquer condição de risco”, disse.

Em agosto de 2014, a Anac divulgou uma recomendação em que diferenciava o treinamento necessário para pilotar o avião do mesmo modelo usado por Eduardo Campos. Para fazer a adaptação, o piloto deveria fazer um teste de proficiência e o copiloto, um curso de adaptação. Uma das mudanças estava na própria configuração do painel do avião. 

Para o tenente-coronel, o importante é verificar se piloto e copiloto tinham treinamento compatível com o avião. “Estamos coletando informações, verificando o treinamento que tiveram.”

Durante a coleta de dados, a equipe procurou reunir informações de várias fontes. Foram ouvidas testemunhas, um filme de câmara de segurança foi analisado e foi feita análise de gravações do avião e de informações de radar. Está descartada a possibilidade de choque com animais, com naves não tripuladas ou fogo na aeronave.

Habilitação. Em nota divulgada na noite desta segunda, a Anac declarou que o piloto e copiloto “estavam com licença e habilitação válidas para voar o Cessna 560 no momento do acidente, “o que permitiria operar todas as aeronaves desta família para as quais eles estivessem treinados”. 

***

Tudo o que sabemos sobre:
Eduardo CamposCenipaAeronáutica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.