Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Picciani recebeu R$ 11 milhões da Odebrecht, aponta denúncia

De acordo com o Ministério Público Federal, dinheiro foi pago ao deputado entre 2008 e 2014

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2017 | 12h41

RIO - O presidente afastado da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por ter recebido R$ 11,1 milhões da construtora Odebrecht, segundo a investigação. Desse valor, R$ 4,5 milhões teriam sido depositados no exterior. A denúncia, oferecida à Justiça na noite dessa quarta-feira, 6, lista os crimes de evasão de divisas, formação de cartel, fraude a licitações, corrupção, lavagem de ativos e organização criminosa.

+++ Empresas de ônibus repassaram R$ 250 milhões em propina a políticos

De acordo com os investigadores, Picciani recebeu as propinas de 2008 a 2014. A informação está em uma planilha recebida pelo MPF após a formalização do acordo de leniência com a construtora. Os dados sobre o parlamentar foram repassados pelo executivo da empresa Benedicto Júnior, que firmou acordo de delação premiada.

+++ Supremo diverge sobre imunidade de deputados estaduais

Benedicto informou que a alcunha de “Grego” na planilha se referia a Picciani. O empresário, que integrava o núcleo econômico responsável por realizar o pagamento de propina aos deputados estaduais, afirmou que o repasse se dava por meio de doações oficiais a campanhas políticas e por meio de pagamentos clandestinos. Muitos foram registrados no sistema de contabilidade paralela desenvolvido pela empresa, conhecido como Drousys.

+++ 'Lava Jato não pode fazer o que está fazendo com o Rio', diz Lula

No Rio, os pagamentos de propina da Odebrecht a Picciani seriam feitos pelo doleiro Álvaro Novis. Teriam sido recebidos por Jorge Luiz Ribeiro, operador financeiro de Picciani, a quem cabia receber e ocultar o dinheiro da corrupção, segundo a denúncia.

+++ Alerj terá terceiro presidente em duas semanas

De acordo com o MPF, a propina era paga a Picciani para que ele intercedesse em favor da empresa em várias ocasiões. O deputado teria editado atos normativos do Legislativo e direcionado licitações à Odebrecht em obras iniciadas durante a gestão do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB).

+++ Alckmin substitui carros oficiais por Cabify

"Os pagamentos não cessaram mesmo quando ele ficou sem mandato (2011/2014). De um lado, por configurarem-se em dividendos de 'serviços' já prestados. De outro, pela inegável necessidade do apoio desse influente político que, mesmo sem mandato, presidia o diretório estadual do PMDB-RJ. Para que a organização criminosa operante no governo de Sérgio Cabral pudesse prosseguir na prática dos seus crimes, era necessário continuar contando com o apoio de Jorge Picciani, cuja ascendência e liderança sobre os parlamentares estaduais sempre foi notória", afirmaram os procuradores na denúncia.

+++ Dodge recorre de decisão de Gilmar que mandou soltar Jacob Barata

O Estado tenta ouvir as defesas de Picciani e Cabral. Ambos estão presos na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte carioca, com outros politicos investigados. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.