PIB frustra expectativas e cresce 0,6% no 3º trimestre

Segundo Boletim Focus do Banco Central, economia brasileira crescerá 1,5% em 2012.

João Fellet, BBC

30 de novembro de 2012 | 10h06

Dados divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que a economia brasileira cresceu apenas 0,6% no terceiro trimestre deste ano em relação aos três meses anteriores, frustrando expectativas de que os vários estímulos adotados pelo governo federal neste ano surtissem efeitos mais profundos.

Na comparação com o mesmo trimestre de 2011, a expansão foi um pouco maior, de 0,9%.

Os únicos destaques positivos na relação entre o terceiro trimestre deste ano e o segundo trimestre foram setor agropecuário, com crescimento de 2,5%, e a indústria, com 1,1%. O setor de serviços ficou estagnado no período.

Quanto à demanda, os investimentos, considerados fundamentais para que o país obtenha um ciclo de crescimento mais duradouro, caíram 2%, sua quinta redução consecutiva. Houve, porém, aumento de 0,9% no consumo das famílias.

As exportações cresceram 0,2%, ao passo que as importações, descontadas do cálculo do PIB, caíram 6,5%.

A maioria das consultorias e instituições financeiras esperava que o PIB (Produto Interno Bruto, soma de todas as riquezas produzidas no país) crescesse em torno de 1,2% no terceiro trimestre, reagindo às ações do governo federal para aquecer a economia.

Segundo o último Boletim Focus do Banco Central, que reúne projeções do mercado, a economia brasileira crescerá 1,5% em 2012.

Para o economista Antonio Madeira, da consultoria LCA, a menos que os índices de investimento reajam, a economia brasileira continuará com crescimento baixo nos próximos trimestres.

Ele prevê, no entanto, um cenário mais otimista no próximo ano. Segundo ele, deverá haver uma estabilização na taxa de investimento nos próximos meses em virtude de algumas medidas adotadas pelo governo.

Entre elas, cita a adoção da depreciação acelerada na compra de bens e equipamentos neste ano. Depreciação acelerada é um mecanismo que permite a indústrias que invistam em bens e equipamentos uma redução no imposto a pagar. A medida tende, portanto, a estimulá-las a se equipar.

Outra ação do governo foi a criação de uma linha do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) com juros anuais baixos (2,5% ao ano) para quem comprar caminhões, máquinas e equipamentos.

"São incentivos fiscais e de créditos muito importantes, que devem alavancar vendas e investimentos neste fim de ano", afirma Madeira.

Ele espera ainda tendência de melhora no próximo ano em razão dos seguintes motivos: crê que o consumo das famílias manterá boa performance; que o BNDES continuará oferecendo linhas de crédito com juros baixos, que a economia global apresentará ligeira melhora e que o setor público brasileiro aumentará os investimentos.

Recentemente, os Estados receberam autorização para aumentar seu endividamento em quase R$ 60 bilhões. Madeira acredita que boa parte dos novos gastos, que poderão ser financiado com linha de crédito do governo federal, serão em infraestrutura.

"O ano que vem é o momento para começar obras que serão concluídas em 2014, um ano eleitoral." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
topeconomiapibcrescimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.