Agência Câmara
Agência Câmara

PGR oferece segunda denúncia contra deputado Dudu da Fonte

O parlamentar, ex-líder do PP na Câmara, já foi denunciado em outro inquérito da Lava Jato, sob acusação tentar atrapalhar as investigações da CPI da Petrobrás no Senado, em 2009

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2016 | 14h44

BRASÍLIA - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ofereceu uma denúncia no Supremo Tribunal Federal contra o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE) pelo recebimento de propina para beneficiar a UTC Engenharia no âmbito da Operação Lava Jato. O ex-executivo da Petrobrás Djalma Rodrigues de Souza também foi denunciado no caso.

O deputado, ex-líder do PP na Câmara, já foi denunciado em outro inquérito da Lava Jato, sob acusação tentar atrapalhar as investigações da CPI da Petrobrás no Senado, em 2009. 

Em colaboração premiada, o presidente da empreiteira, Ricardo Pessoa, afirmou que pagou R$ 300 mil ao deputado, mas que ele lhe aplicou um "passa-moleque", porque as obras jamais foram realizadas. 

Na denúncia, Janot explica que Dudu da Fonte, como o deputado é conhecido, foi apresentado a Ricardo Pessoa por Djalma Rodrigues como alguém que poderia ajudar a UTC a ganhar contratos no âmbito da chamada Petrocoque, controlada pela Petrobrás. 

Segundo o presidente da UTC, o acerto era para que a construtora tivesse preferência nas obras da Coquepar, no Paraná. Pessoa afirma que pagou R$ 300 mil ao parlamenta, sendo R$ 100 mil em espécie e R$ 200 mil em doações oficiais ao diretório estadual do PP em Pernambuco. O dinheiro foi usado para financiar a campanha de Dudu da Fonte em 2010.

O procurador-geral da República afirma ainda que metade do dinheiro foi repassado a Djalma Rodrigues através de uma doação legal a um sobrinho do ex-executivo da Petrobrás, Érico Tavares, que concorreu a deputado estadual em Pernambuco pelo PTC.

Janot pede a condenação de Dudu da Fonte e de Djalma Rodrigues pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, além da perda da função pública ou mandato eletivo dos envolvidos. O procurado-geral também quer que eles devolvam aos cofres públicos R$ 300 mil, o equivalente ao valor solicitado como propina.

Caberá ao STF analisar a denúncia. Se ela for aceita pelo tribunal, Dudu da Fonte será transformado em réu em uma ação penal. 

Resposta. O deputado Eduardo da Fonte, por meio de sua assessoria, diz que irá prestar todos os  esclarecimento ao STF e entende ser um "absurdo" o suposto chefe do cartel das empreiteiras levar um "passa-moleque" de alguém.

O Estado não conseguiu contato com Djalma Rodrigues.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.