Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

PGR denuncia Raupp por corrupção e lavagem de dinheiro na Lava Jato

Ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef disseram, em delação premiada, que o dinheiro chegou à campanha do senador por meio de uma doação legal feita pela construtora Queiroz Galvão e pela Vital Engenharia

Isadora Peron e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

16 de setembro de 2016 | 19h52

BRASÍLIA - A Procuradoria-Geral da República apresentou nesta sexta-feira, 16, denúncia contra o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro dentro de inquérito da Operação Lava Jato. O procedimento apura a suspeita de que o peemedebista teria recebido propina de R$ 500 mil desviados de contratos da Petrobrás.

 

Segundo informações das delações premiadas do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef, o dinheiro chegou aos cofres da campanha do peemedebista por meio de uma doação legal feita pela construtora Queiroz Galvão e pela Vital Engenharia.

 

O Estado não teve acesso à peça da denúncia, mas confirmou a informação com a PGR e com interlocutores do ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato na Corte.

 

Também foram denunciados o cunhado de Raupp, Paulo Roberto Rocha, e uma ex-funcionária do senador, Maria Cleia de Oliveira.

 

Além desse inquérito, o peemedebista também é alvo de uma investigação no STF por suspeita de desvios na construção da hidrelétrica de Belo Monte, ao lado de outros nomes da cúpula do PMDB, como o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL).

 

Raupp é próximo do presidente Michel Temer e já ocupou a presidência do PMDB. Agora, é tesoureiro ajunto do partido.

Outro lado. Em nota, Raupp disse que a “denúncia oferecida pelo Ministério Público, lamentavelmente, tem equivocada interpretação dos fatos”.

 

Ele também afirmou que “jamais compactuou com qualquer ilícito” e que a doação recebida durante a campanha foi feita de maneira legal, via o diretório estadual do PMDB de Rondônia.

 

O senador disse ainda confiar na Justiça e diz que aguarda “serenamente a instrução do processo, certo de que a fragilidade das provas e dos argumentos apresentados conduzirão à sua absolvição”.

Tudo o que sabemos sobre:
Valdir RauppOperação Lava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.